Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

'Chegar o mais próximo possível do Irã': político russo explica presença dos EUA no Iraque

A principal razão da permanência do contingente militar dos EUA no Iraque é a tentativa de pressionar o Irã, com o qual pode começar um conflito no Oriente Médio, disse à Sputnik Aleksandr Sherin, vice-presidente do Comitê de Defesa do parlamento russo.


Sputnik

Na quarta-feira (26 de dezembro), Trump visitou os militares americanos no Iraque com sua esposa Melanya. Durante esta visita de Natal, o presidente dos EUA disse que não planeja reduzir o contingente militar americano no Iraque, apesar da retirada anunciada das Forças Armadas dos EUA da Síria.


Militares dos EUA em Mossul, Iraque
Militares dos EUA no Iraque © AFP 2018/ THOMAS COEX

"Eu acho que os EUA estão interessados principalmente no território do Irã. Eles estavam interessados na Síria como um trampolim para uma invasão terrestre do território iraniano. Hoje, o Irã é um importante centro de tráfego de combustíveis, tem enormes recursos naturais e trânsito de petróleo e gás", declarou Sherin.

Segundo ele, o Irã é um parceiro muito sério da China, tendo acesso ao mar Cáspio. Portanto, o Irã para os EUA é uma zona estratégica e tudo o que acontece no Oriente Médio tem o objetivo de "chegar o mais próximo possível do Irã".

Esta é uma tentativa de avaliar a possibilidade de passar para ações ativas, não do território da Síria, como planejaram, mas do território do Iraque, disse o parlamentar.

Sherin destacou que agora EUA precisam de provocar algum conflito em algum lugar no Afeganistão, para que esse conflito se espalhe para algum outro país ribeirinho do Cáspio, por exemplo, o Turcomenistão, porque isso permitiria aumentar a presença militar norte-americana nesta região.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas