Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

'Chegar o mais próximo possível do Irã': político russo explica presença dos EUA no Iraque

A principal razão da permanência do contingente militar dos EUA no Iraque é a tentativa de pressionar o Irã, com o qual pode começar um conflito no Oriente Médio, disse à Sputnik Aleksandr Sherin, vice-presidente do Comitê de Defesa do parlamento russo.


Sputnik

Na quarta-feira (26 de dezembro), Trump visitou os militares americanos no Iraque com sua esposa Melanya. Durante esta visita de Natal, o presidente dos EUA disse que não planeja reduzir o contingente militar americano no Iraque, apesar da retirada anunciada das Forças Armadas dos EUA da Síria.


Militares dos EUA em Mossul, Iraque
Militares dos EUA no Iraque © AFP 2018/ THOMAS COEX

"Eu acho que os EUA estão interessados principalmente no território do Irã. Eles estavam interessados na Síria como um trampolim para uma invasão terrestre do território iraniano. Hoje, o Irã é um importante centro de tráfego de combustíveis, tem enormes recursos naturais e trânsito de petróleo e gás", declarou Sherin.

Segundo ele, o Irã é um parceiro muito sério da China, tendo acesso ao mar Cáspio. Portanto, o Irã para os EUA é uma zona estratégica e tudo o que acontece no Oriente Médio tem o objetivo de "chegar o mais próximo possível do Irã".

Esta é uma tentativa de avaliar a possibilidade de passar para ações ativas, não do território da Síria, como planejaram, mas do território do Iraque, disse o parlamentar.

Sherin destacou que agora EUA precisam de provocar algum conflito em algum lugar no Afeganistão, para que esse conflito se espalhe para algum outro país ribeirinho do Cáspio, por exemplo, o Turcomenistão, porque isso permitiria aumentar a presença militar norte-americana nesta região.

Comentários

Postagens mais visitadas