Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Coalizão árabe diz que trégua em Al Hudaydah começa nesta terça-feira

A coalizão militar liderada pela Arábia Saudita, que intervém no Iêmen em apoio ao exército governamental, confirmou nesta segunda-feira que a trégua na cidade estratégica de Al Hudaydah entrará em vigor a partir da próxima meia-noite, em aplicação do acordo firmado na semana passada com os rebeldes houthis na Suécia.


EFE

Riad - 
O porta-voz da coalizão, coronel Turki al Maliki, disse em entrevista coletiva em Riad que o enviado da ONU acertou com as duas partes em conflito o começo da trégua à meia-noite desta terça-feira no Iêmen (19h de hoje em Brasília).

Resultado de imagem para al hudaydah yemen


Ontem, o movimento houthi anunciou que "a implementação efetiva do cessar-fogo em Al Hudaydah começará em 18 de dezembro".

O porta-voz da coalizão árabe destacou que "a ONU e a comunidade internacional são responsáveis pela aplicação" da trégua, que foi estipulada com a mediação das Nações Unidas.

Além disso, acrescentou que haverá "comitês de vigilância" para monitorar a trégua, que comunicarão qualquer violação, além de representantes da ONU para supervisionar o seu cumprimento.

Al Maliki considerou que esta é "uma prova verdadeira" para os rebeldes xiitas diante da comunidade internacional e a ONU.

O militar destacou que "é importante que os houthis se comprometam com os pontos do acordo e não o violem", como ocorreu em algumas ocasiões anteriores, segundo o porta-voz.

Também ressaltou que os rebeldes aceitaram comparecer à mesa de negociações graças à "pressão militar contínua e simultânea em todas as frentes", exercida pelas forças governamentais apoiadas pela coalizão integrada principalmente pela Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos.

Na aliança estão todos "comprometidos" e "apoiam todos os esforços para conseguir uma solução política no Iêmen", afirmou Al Maliki.

Na última quinta-feira as duas partes selaram um acordo preliminar para um cessar-fogo imediato em Al Hudaydah, controlada pelos rebeldes desde 2014 e sobre a qual as forças governamentais lançaram uma ofensiva em junho.

O acordo será implementado em fases e prevê a retirada de todas as forças militares da cidade em um prazo de 21 dias depois da implementação do cessar-fogo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas