Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Prestes a 'ganhar' território do tamanho da Arábia Saudita, Brasil carece de recursos para defesa

A ONU deve ratificar no próximo mês, o pleito brasileiro em estender sua faixa de águas jurisdicionais em pelo menos 2,1 milhões de km², uma área equivalente à extensão da Arábia Saudita. Para especialista ouvido pela Sputnik Brasil, movimento precisa vir acompanhado de modernização da Marinha.
Sputnik

Como a Sputnik Brasil mostrou em maio, a demanda já dura há pelo menos 30 anos e tem relação com medições técnicas sobre o ponto onde termina o Brasil continental e até onde é lícito explorar as águas do entorno. O mar territorial brasileiro têm atualmente cerca de 12 milhas náuticas (22 quilômetros) na faixa de água e uma zona econômica exclusiva de 200 milhas náuticas (370 quilômetros). Na parte de solo e sub-solo, área na qual o Brasil pleiteia a extensão, há um limite de mais 200 milhas regulamentadas.

Responsável pela proteção da área oceânica, a Marinha brasileira vem desenvolvendo pesquisas na região desde 2004. Os militares já identificaram potencial possibilidade de exploração de …

Coalizão liderada pelos EUA transfere terroristas do Daesh na Síria

A coalizão internacional liderada pelos EUA transferiu terroristas do Daesh da província de Hasakah, na Síria. Recentemente a coalizão já havia deportado um certo número de membros da organização terrorista através do uso de helicópteros saindo da província de Haseke e indo para uma localização não divulgada, segundo a agência de notícias SANA.


Sputnik

"No dia 10 de novembro, os helicópteros da coalizão liderada pelos EUA evacuaradam supostamente três militantes da vila de As-Suwayda na região Nordeste da província de Al-Hasakah em direção a um destino desconhecido", disse a agência síria citando fontes anôminas.


Soldados dos EUA segura uma arma enquanto mantém a guarda de um veículo blindado. A escolta faz parte da comitiva que acompanhou o enviado norte-americano para a coalizão internacional contra o Daesh, Brett McGurk, durante vistia à cidade de Tabqa, na Síria.
Militares dos EUA na escolta do Daesh (Estado Islâmico) na Síria © REUTERS / Rodi Said

A coalizão ainda não se declarou a respeito das informações divulgadas pela agência.

O chefe da divisão política do Exército da Síria, general Hassan Akhmad Hassan, disse mais cedo em entrevista à Sputnik que os EUA e seus aliados apoiam terroristas na Síria ao invés de combatê-los, supervisionando e organizando militantes. Para provar o que afirma, o general trouxe relatórios sobre as liderança do Daesh que afirmam que eles foram evacuados em mais de uma ocasião para locais seguros por aviões e helicópteros norte-americanos.

O Daesh é uma organização terrorista que foi banida do território russo.

No início do mês, Damasco acusou a coalizão liderada pelos EUA por violações das leis internacionais e pela morte de civis em uma carta enviada à ONU, acrescentando que Washington não está combatendo o terrorismo no país. O ministro das Relações Exteriores da Síria exigiu que a ONU lance uma investigação acerca de um ataque aéreo realizado pela coalizão em Deir ez-Zor, no qual 62 pessoas foram mortas e dezenas ficaram feridas.

O documento surgiu em seguida a uma série de bombardeiros na cidade de Hajin, que, de acordo com a agência de notícias SANA, incluiu o uso de fósforo branco. O porta-voz da coalizão, no entanto, negou um uso do material, que é proibido.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas