Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Curdos pedem ajuda da França para criar zona de exclusão aérea no norte da Síria

O Conselho Democrático da Síria pediu ajuda da França para declarar zona de exclusão aérea no norte da Síria, afirmou nesta sexta-feira o co-presidente da organização, Ilham Ahmed.


Sputnik

"Estamos pedindo à França para ajudar a estabelecer uma zona de exclusão aérea no norte da Síria", disse o co-presidente em uma entrevista coletiva em Paris.


Curdos sírios do YPG (foto de arquivo)
Curdos do YPG © AFP 2018 / Delil Souleiman

Ele acrescentou que as Forças Democráticas da Síria serão forçadas a deixar a província de Deir ez-Zor se a Turquia começar uma operação militar nesta área.

Ele ressaltou que a decisão dos EUA de retirar suas tropas do território complicará a luta contra o terrorismo.

Na véspera, o embaixador francês na ONU, François Delattre, declarou que a França tentará defender os curdos após a anunciada retirada das tropas norte-americanas da Síria.

Na quarta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, proclamou a vitória sobre o Daesh na Síria, destacando que combater o grupo terrorista era a única razão para os EUA permanecerem no país árabe. Portanto, essa seria a hora para os militares dos EUA voltarem para casa.

Por outro lado, a Turquia juntou tropas na fronteira com a Síria e já anunciou que pretende iniciar uma operação militar contra os curdos no país vizinho.

A França é membro da coalizão internacional liderada pelos EUA que, desde 2014, tem lutado contra o Daesh na Síria e no Iraque.

A presença da coalizão na Síria não conta com a aprovação de Damasco.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas