Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

Decisão da saída das forças americanas é vitória para Síria e aliados, diz deputado sírio

O deputado do parlamento da Síria, Ammar al Asad, disse à Sputnik Árabe que a escolha da remoção das forças militares dos EUA do país sírio foi uma consequência do fracasso do controle americano.


Sputnik

"A decisão de retirar as tropas americanas foi o resultado da derrota das forças sob seu controle. O plano americano de dividir a Síria através de conflitos religiosos e étnicos fracassou", afirmou al Asad.


Fuzileiros navais norte-americanos em al-Qaim, perto da fronteira síria, oeste do Iraque (Arquivo)
Fuzileiros navais dos EUA na Síria © AFP 2018 / USMC

O deputado sírio complementou dizendo que "as vozes da condenação da permanência ilegal de americanos na Síria estão se tornando mais altas", e que a presença das forças americanas no país árabe interferiu na decisão política e no avanço do exército sírio. "Os americanos ajudaram os terroristas do Daesh. A retirada das tropas é uma vitória real para o governo sírio e seus aliados: Rússia e Irã."

"Agora as Forças Democráticas da Síria (SDF) iniciarão a cooperação com o exército do governo sírio, porque Washington não mais as apoiará. As SDF estão procurando aliados para resistir à agressão turca. Ninguém quer repetir a história de Afrin, quando 800 mil pessoas abandonaram suas casas", ressaltou o parlamentar.

Para o general Hatem Bashat, membro do comitê africano no parlamento egípcio, a situação na região mudará após a decisão dos EUA, pois a Turquia pode ocupar o lugar que ficou livre e, além disso, ninguém sabe para onde as tropas americanas vão se deslocar.

O político líbio Abdullah Asamnah declarou à Sputnik que "Washington decidiu retirar suas tropas da Síria por dois motivos".

"Primeiramente, os próprios americanos queriam isso. Pessoas comuns querem mais concentração em problemas internos, e não em problemas externos. Muitas pessoas foram feridas e mortas no Afeganistão e no Iraque, as pessoas têm medo de passar por esses horrores novamente", ressaltou Asamnah.

A segunda razão está no fato de que Washington se tornou mais leal ao presidente sírio, Bashar Assad, que estava convencido de que, de maneira independente e com o apoio russo, poderia lidar com os terroristas que sobraram no país.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas