Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Desejo de vigiar Rússia no Ártico constata impotência dos EUA na região, diz analista

Marinha dos EUA está considerando a utilização de aeronave caçadora de submarino P-8 Poseidon em uma antiga base no Alasca para vigiar de perto as ações da China e Rússia no Ártico. O cientista político Yevgeny Ben explicou à Sputnik por que os norte-americanos precisam disso.


Sputnik

A Marinha dos EUA planeja posicionar nas ilhas Aleutas aeronaves caçadoras de submarino P-8 Poseidon para vigiar de perto as ações da China e Rússia no Ártico, informou a edição The Daily Express, citando o secretário da Marinha dos EUA, Richard Spencer.

Marinhas dos EUA e do Reino Unido realizam exercícios marítimos conjuntos no Ártico
© Foto: Marinha dos EUA

Os aviões seriam posicionados na ilha de Adak e na parte ocidental das ilhas Aleutas. Até 1977, uma base norte-americana funcionou na região, e, quando fechou suas portas, a pista de pouso e decolagem militar foi disponibilizada para uso comercial.


Segundo Spencer, o posicionamento de aviões permitirá aos EUA vigiar a atividade intensificada da Rússia no Ártico. Ele afirmou que a Marinha dos EUA agora está presente na região "no ar e no mar", bem como busca opções para aumentar a prontidão de combate de suas forças na região em cooperação com a Guarda Costeira dos EUA.

"Os norte-americanos já até reconheceram anteriormente que acumularam um atraso sério em material e tecnologias para exploração do Norte. Eles têm apenas dois quebra-gelos, estando apenas um deles apto para navegar no Ártico, e ele [quebra-gelo que funciona] já está bastante defasado, não se sabe quanto tempo ainda tem", disse o cientista político Yevgeny Ben à Sputnik.

O analista acredita que, já que a presença dos EUA está rodeada de problemas no Ártico, os norte-americanos agora estão tentando compensar o atraso pelo controle da atividade da Rússia na região.

"O atraso dos EUA não diminuirá, mas pelo menos eles ficarão sabendo o que a Rússia está fazendo e o que acontece no Ártico em geral. Afinal, os Estados Unidos consideram tradicionalmente que devem saber tudo que está acontecendo em qualquer ponto do planeta, ainda mais se houver ligação com a Rússia", concluiu Yevgeny Ben.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas