Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Desejo de vigiar Rússia no Ártico constata impotência dos EUA na região, diz analista

Marinha dos EUA está considerando a utilização de aeronave caçadora de submarino P-8 Poseidon em uma antiga base no Alasca para vigiar de perto as ações da China e Rússia no Ártico. O cientista político Yevgeny Ben explicou à Sputnik por que os norte-americanos precisam disso.


Sputnik

A Marinha dos EUA planeja posicionar nas ilhas Aleutas aeronaves caçadoras de submarino P-8 Poseidon para vigiar de perto as ações da China e Rússia no Ártico, informou a edição The Daily Express, citando o secretário da Marinha dos EUA, Richard Spencer.

Marinhas dos EUA e do Reino Unido realizam exercícios marítimos conjuntos no Ártico
© Foto: Marinha dos EUA

Os aviões seriam posicionados na ilha de Adak e na parte ocidental das ilhas Aleutas. Até 1977, uma base norte-americana funcionou na região, e, quando fechou suas portas, a pista de pouso e decolagem militar foi disponibilizada para uso comercial.


Segundo Spencer, o posicionamento de aviões permitirá aos EUA vigiar a atividade intensificada da Rússia no Ártico. Ele afirmou que a Marinha dos EUA agora está presente na região "no ar e no mar", bem como busca opções para aumentar a prontidão de combate de suas forças na região em cooperação com a Guarda Costeira dos EUA.

"Os norte-americanos já até reconheceram anteriormente que acumularam um atraso sério em material e tecnologias para exploração do Norte. Eles têm apenas dois quebra-gelos, estando apenas um deles apto para navegar no Ártico, e ele [quebra-gelo que funciona] já está bastante defasado, não se sabe quanto tempo ainda tem", disse o cientista político Yevgeny Ben à Sputnik.

O analista acredita que, já que a presença dos EUA está rodeada de problemas no Ártico, os norte-americanos agora estão tentando compensar o atraso pelo controle da atividade da Rússia na região.

"O atraso dos EUA não diminuirá, mas pelo menos eles ficarão sabendo o que a Rússia está fazendo e o que acontece no Ártico em geral. Afinal, os Estados Unidos consideram tradicionalmente que devem saber tudo que está acontecendo em qualquer ponto do planeta, ainda mais se houver ligação com a Rússia", concluiu Yevgeny Ben.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas