Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Donetsk declara estar em prontidão de combate para se defender de suposta ofensiva de Kiev

Os destacamentos da autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD) estão em prontidão de combate total e completamente equipados com todo o necessário para o caso de haver uma possível ofensiva das Forças Armadas da Ucrânia em Donbass, declarou aos jornalistas o vice-comandante da Milícia Popular da RPD, Eduard Basurin.


Sputnik

Anteriormente, Donetsk denunciou a preparação de um grande ataque por parte de Kiev no sul da região de Donetsk com uso de veículos blindados pesados, artilharia e lançadores múltiplos de foguetes.


Milicianos da República Popular de Donetsk retiraram armamentos (imagem referencial)
Milicianos de Donetsk © Sputnik / Sergei Averin

Segundo dados da inteligência, a ofensiva foi programada para 14 de dezembro com o objetivo final de tomar sob controle a fronteira com a Rússia. O líder da RPD, Denis Pushilin, declarou por sua vez que as forças de Donetsk estavam prontas para repelir o ataque.

"Todas as unidades militares foram colocadas em prontidão de combate total. Desde o momento em que recebemos informação sobre a preparação de uma ofensiva em grande escala do lado ucraniano, os nossos destacamentos foram completados com pessoal em 100% e abastecidos com o armamento, material e munições necessários", disse Basurin.

"As subunidades de artilharia estão prontas a se moverem para as posições previamente preparadas e fazer fogo contra o inimigo […] As infraestruturas críticas foram reforçadas com sistemas de defesa antiaérea. Foi realizado um conjunto de ações para dispersar as reservas de recursos materiais, bem como para criar depósitos de armas e munições por todo o território da república para efetuar uma resistência total", assinalou Basurin.

O conflito em Donbass teve início em 2014, quando as autoridades ucranianas lançaram uma operação militar contra as autoproclamadas repúblicas populares de Donetsk e Lugansk, que se recusaram a reconhecer o novo governo de Kiev. Posteriormente, os lados do conflito concordaram em parar as hostilidades na região através de um acordo de trégua, mas a situação continua tensa com acusações mútuas de violações do cessar-fogo.

Comentários

Postagens mais visitadas