Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

DSME entrega fragata stealth à Tailândia

Na sexta-feira da semana retrasada (14.12), a Real Marinha Tailandesa recebeu com festa, no estaleiro Okpo-Dong, da Daewoo Shipbuilding & Marine Engineering Co. Ltd.(DSME), de Busan, na Coreia do Sul, a sua primeira fragata “de alto desempenho” (como os chefes navais tailandeses gostam de dizer) derivada da classe KDX-I.


Por Roberto Lopes | Poder Naval

A nova classe Tachin, conhecida na DSME como DW 3000H, foi desenvolvida a partir do destróier Gwanggaeto, o Grande (KDX-I), da Marinha sul-coreana.



De acordo com o portal de notícias tailandês AAG, seu custo total foi fixado em 396 milhões de dólares, com outras fontes dizendo que o custo do navio chegou a US$ 410 milhões.

Armas e sensores 

O navio tailandês, de 136 tripulantes, foi equipado com sistemas de última geração, e sofisticadas armas navais. O casco foi projetado utilizando tecnologia stealth (furtiva), e sua propulsão deve permitir uma velocidade máxima de 30 nós, além de autonomia na faixa das 4.000 milhas náuticas.

O armamento e os sensores de combate constituem capítulo à parte.

O Tachin III foi equipado, entre outros sistemas, com:

  • um canhão Oto Melara 76/62 na proa (em casamata também furtiva);
  • dois sistemas CIWS Raytheon Phalanx, de 20 mm;
  • 2 lançadores quádruplos de mísseis anti-navio Boeing RGM-84L Harpoon Block II;
  • 2 lançadores triplos de torpedos leves Mk.54 Mod 0 (de 324 mm de diâmetro);
  • 8 lançadores de míssil Raytheon RIM-162 ESSM;
  • Radar de Vigilância (aérea e de superfície) Saab Sea Giraffe 4A AESA;
  • Radar de Combate Saab Sea Giraffe; e
  • Sistema de Gerenciamento de Combate Saab 9LV Mk4.

Transferência de tecnologia 

A Tachin III partirá para a Tailândia em janeiro.

Encomendada em 2013, a embarcação foi lançada ao mar em janeiro de 2017 – em uma cerimônia presidida pelo então Comandante da Força Naval Tailandesa, almirante Aree Nani –, e deveria ter sido entregue ao cliente em agosto deste ano, mas essa data precisou ser adiada por quatro meses.

A DSME deverá receber encomenda de uma segunda fragata Tachin. Mas, nesse caso, o navio será construído no Estaleiro Mahidol Adulyadej, da Tailândia, com transferência de tecnologia por parte da DSME. O custo dessa aquisição ainda não foi informado.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas