Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

EUA buscam tecnologia avançada para veículos hipersônicos

A Agência de Projetos Avançados de Defesa dos EUA (DARPA) precisa de engenheiros que desenvolvam materiais inovadores para a fabricação de veículos hipersônicos que não sobreaqueçam em voos que superam mais de 5 vezes a velocidade do som.


Sputnik

Em comunicado divulgado no começo deste mês, a DARPA observou que os veículos hipersônicos que voam na atmosfera a "velocidades incrivelmente altas" criam "intenso atrito com o ar circundante", o que produz calor nas bordas anteriores das asas (as que primeiro entram em contato com o ar) ou nas partes dianteiras dos veículos.


Avião hipersônico norte-americano X-51A (ilustração conceptual)
X-51A dos EUA | CC0 / Wikimedia/ Força Aérea dos EUA

"Desenvolver estruturas que possam resistir a temperaturas e a velocidades tão altas é um desafio técnico, principalmente para as bordas de ataque, que suportam o impacto do calor", observa o comunicado.

Para encontrar uma solução, a DARPA anunciou recentemente um novo programa: Arquiteturas de Materiais e Caracterização para Veículos Hipersônicos (MACH). A apresentação inicial do programa, cujo objetivo é desenvolver novas soluções de design e materiais para "bordas de direção agudas e com formato estável para veículos hipersônicos", será realizada no dia 22 de janeiro em Arlington, no estado norte-americano da Virgínia, onde as empresas interessadas em participar da iniciativa poderão saber mais sobre o projeto.

"Durante décadas, as pessoas estudaram o resfriamento das bordas quentes dos veículos hipersônicos, mas não conseguiram demonstrar conceitos práticos durante o voo", especificou Bill Carter, gerente de programas do Departamento de Ciências da Defesa da DARPA, no comunicado à imprensa.

Segundo ele, o principal objetivo é desenvolver arquiteturas de materiais escaláveis que permitam o transporte de massa se espalhar e repelir o calor.

"Nos últimos anos, temos visto avanços na engenharia térmica e na manufatura que podem permitir o desenvolvimento e a fabricação de arquiteturas muito complexas que não eram possíveis no passado", acrescentou.

De acordo com a DARPA, o programa MACH consistirá em duas áreas técnicas. A primeira se concentrará no desenvolvimento de sistemas de gerenciamento térmico que resfriam as bordas das asas através do que eles chamam de "design térmico avançado", enquanto a segunda se concentrará no desenvolvimento de novos revestimentos e materiais de alta temperatura para veículos hipersônicos que não exigem resfriamento imediato devido à natureza dos materiais.

No entanto, não foram fornecidas informações complementares relativas a esses materiais.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas