Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

EUA planejam reiniciar programa de modernização das ogivas termonucleares W78

A Administração Nacional de Segurança Nuclear dos EUA (NNSA) planeja reiniciar o programa de substituição de ogivas termonucleares W78. O programa será realizado entre 2019 e 2041 e vai custar 10-15 bilhões de dólares (R$ 40-58 bilhões).


Sputnik

A ogiva termonuclear W78 é uma das duas ogivas que equipam os mísseis balísticos intercontinentais Minuteman-III da Força Aérea dos EUA. 


Lançamento de míssil balístico Minuteman III
Lançamento do ICBM Minuteman III © AP Photo / Vandenberg Air Force Base

Pentágono também está considerando a utilização das ogivas W78 nos mísseis balísticos instalados em submarinos.

Segundo o relatório, citado pelo canal de televisão russo RT, a NNSA e a Secretaria da Defesa dos EUA tentaram modernizar as W78 durante dez anos, mas em 2014 o programa foi suspenso.

De acordo com o Pentágono, o reinício do programa está ligado à necessidade de garantir a segurança do arsenal nuclear dos EUA.

"A NNSA e a Secretaria da Defesa dos EUA realizam programas para aumentar a vida útil, renovar e substituir os componentes das armas nucleares, de maneira a prolongar o período de exploração dessas armas e garantir maior segurança e proteção do arsenal nuclear", lê-se no documento.

Entretanto, os analistas entrevistados pelo RT acreditam que o objetivo desse programa dos EUA é superar a Rússia do ponto de vista militar.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas