Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

França é o 'homem doente da Europa' hoje, ataca ministro da Polônia

A França é o novo "homem doente da Europa", afirmou o ministro de Relações Exteriores da Polônia, citando os distúrbios dos coletes amarelos e o recente ataque jihadista em Estrasburgo. A Polônia, por outro lado, é um "ponto brilhante" do continente, prosseguiu.


Sputnik

Os problemas da França estão prejudicando toda a região, declarou Jacek Czaputowicz ao canal de TV Polsat News na última segunda-feira.


Der polnische Außenminister Jacek Czaputowicz (Archiv)
Jacek Czaputowicz © AP Photo / Czarek Sokolowski

"A França é o homem doente da Europa, é um empecilho para a Europa, enquanto a Polônia é um ponto brilhante", pontuou.

O ataque terrorista em Estrasburgo, que deixou cinco pessoas mortas, bem como os protestos dos coletes amarelos que vêm acontecendo nas últimas semanas, provam "que algo não está certo na França", segundo o chanceler polonês.

Ao mesmo tempo, "a retirada do presidente [francês Emmanuel] Macron das reformas do Estado" — causada pela pressão dos manifestantes — também é uma coisa "triste".

O título nada invejável de "o homem doente da Europa" foi cunhado em meados do século XIX e originalmente se referia ao Império Otomano, enquanto os outros impérios poderosos de outrora circulavam pelo Estado decadente.

Quando o Império Otomano entrou em colapso após a Primeira Guerra Mundial, muitos países europeus foram rotulados de "doentes" quando passaram por vários problemas domésticos.

A própria França não recebe pela primeira vez a questionável 'honra'. No final dos anos 2000, o país foi designado assim em um relatório do banco estadunidense Morgan Stanley, enquanto a mídia europeia se referiu à França por esse "título" em meados de 2010.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas