Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Futuro caça PCA pode custar três vezes mais que o F-35

Um jato de superioridade aérea da próxima geração para a Força Aérea dos Estados Unidos (USAF), conhecido como Penetrating Counter Air, pode custar cerca de US$ 300 milhões em dólares de 2018 por avião, informou o Escritório de Orçamento do Congresso (CBO) em um novo estudo.


Poder Aéreo

WASHINGTON – A esse preço, o PCA teria o custo de mais de três vezes o do jato F-35A, que é definido em cerca de US$ 94 milhões.

Concepção inicial do PCA – Penetrating Counter Air

Esse valor, embora não seja uma estimativa de custo oficial do Pentágono, representa a primeira vez que uma entidade governamental avaliou o preço potencial para o PCA.

O CBO estima que a USAF precisará de 414 aeronaves PCA para substituir os atuais F-15C/D e F-22, atuais caças da Força Aérea voltados para o combate ar-ar. Também supõe que a primeira aeronave entrará em serviço em 2030, com base no desejo declarado do serviço de começar a colocar em campo o PCA em torno desse período de tempo.

A razão para o preço enorme seria o custo das novas tecnologias. Segundo o CBO, “a aeronave PCA provavelmente teria uma maior autonomia e capacidade de carga, além de recursos stealth e sensores aprimorados, do que o F-22 de hoje; essas características ajudariam a operar na presença das defesas aéreas de alto nível que o DoD acredita que a China, a Rússia e outros adversários em potencial podem ter no futuro”.

FONTE: Defense News

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas