Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Como governo Trump esvaziou resolução da ONU contra estupro em guerras

A oposição do presidente americano, Donald Trump, à legalização do aborto levou ao esvaziamento de uma resolução das Nações Unidas contra o uso de violência sexual como arma de guerra.
BBC News Brasil

Os Estados Unidos retiraram todas as referências a "saúde sexual e reprodutiva" do texto, o que, na prática, reduz o peso da resolução. O documento havia sido submetido pela Alemanha ao Conselho de Segurança da ONU. Estados Unidos, China e Rússia ameaçaram vetá-lo, se fosse mantida a redação original.

O governo Trump se opôs às menções à "saúde sexual e reprodutiva" das mulheres, com o argumento de que esse termo indica apoio ao aborto. Uma versão da resolução que exclui essa frase foi aprovada por 13 votos a 0, com abstenções de Rússia e China.

O embaixador da França nas Nações Unidas, François Delattre, criticou a exclusão do trecho, dizendo que a decisão afeta a dignidade das mulheres.

"É intolerável e incompreensível que o Conselho de Segurança da ONU seja incapaz…

Grupo de navios norte-americanos chega a Oriente Médio para combater terrorismo

O porta-aviões de propulsão nuclear estadunidense USS John C. Stennis, da classe Nimitz, entrou nas águas do Oriente Médio junto com um grupo de navios da Marinha dos EUA, cessando o período de oito meses durante o qual porta-aviões norte-americanos não estiveram presentes na região, segundo a mídia americana.


Sputnik

O grupo aeronaval será baseado com a 5ª Frota, responsável pela atividade naval dos EUA no mar Arábico e golfo Pérsico, permanecendo na região durante pelo menos dois meses.


USS John C. Stennis (CVN-74), um super-porta-aviões de propulsão nuclear norte-americano da classe Nimitz
USS John C. Stennis CVN-74 © flickr.com/ U.S. Pacific Command

De acordo com a mídia, o grupo de ataque está sendo posicionado para ajudar na luta contra o grupo terrorista Daesh no Iraque e na Síria e o Talibã no Afeganistão (ambos proibidos na Rússia e em outros países).

Além disso, os responsáveis oficiais do Departamento de Defesa dos EUA confirmaram as informações anteriores de que os EUA estavam reforçando sua presença na região como uma "mensagem" para Teerã, sublinhando o propósito de fazer uma "demonstração de força ao Irã" através de sua presença.

Anteriormente, o Pentágono anunciou que os EUA teriam de treinar mais 35.000 milícias locais para "garantir estabilidade" na região da Síria oriental, controlada pelos curdos depois de o grupo terrorista Daesh ter sido expulso.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas