Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

Grupo de navios norte-americanos chega a Oriente Médio para combater terrorismo

O porta-aviões de propulsão nuclear estadunidense USS John C. Stennis, da classe Nimitz, entrou nas águas do Oriente Médio junto com um grupo de navios da Marinha dos EUA, cessando o período de oito meses durante o qual porta-aviões norte-americanos não estiveram presentes na região, segundo a mídia americana.


Sputnik

O grupo aeronaval será baseado com a 5ª Frota, responsável pela atividade naval dos EUA no mar Arábico e golfo Pérsico, permanecendo na região durante pelo menos dois meses.


USS John C. Stennis (CVN-74), um super-porta-aviões de propulsão nuclear norte-americano da classe Nimitz
USS John C. Stennis CVN-74 © flickr.com/ U.S. Pacific Command

De acordo com a mídia, o grupo de ataque está sendo posicionado para ajudar na luta contra o grupo terrorista Daesh no Iraque e na Síria e o Talibã no Afeganistão (ambos proibidos na Rússia e em outros países).

Além disso, os responsáveis oficiais do Departamento de Defesa dos EUA confirmaram as informações anteriores de que os EUA estavam reforçando sua presença na região como uma "mensagem" para Teerã, sublinhando o propósito de fazer uma "demonstração de força ao Irã" através de sua presença.

Anteriormente, o Pentágono anunciou que os EUA teriam de treinar mais 35.000 milícias locais para "garantir estabilidade" na região da Síria oriental, controlada pelos curdos depois de o grupo terrorista Daesh ter sido expulso.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas