Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Intenção dos EUA de 'sepultar' INF gera novos riscos para Europa, diz chanceler russo

Após a declaração do secretário de Estado americano, Mike Pompeo, de que os EUA estão dispostos a abandonar o Tratado INF daqui a 60 dias, o chanceler russo, Sergei Lavrov, afirmou que a intenção americana gera grandes riscos para a Europa.


Sputnik

"A expansão precipitada da OTAN, o aumento do potencial da Aliança no chamado flanco oriental, a instalação de defesa antimíssil dos EUA na Europa e [a aplicação de] sanções ilegítimas por pretextos inventados levaram à crise de confiança no Euroatlântico", declarou Lavrov na sessão do Conselho de Ministros das Relações Exteriores da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa, realizada em Milão.


Chanceler russo Sergei Lavrov na conferência da imprensa da OTAN, Bruxelas 2011
Sergei Lavrov © AFP 2018 / J. SCOTT APPLEWHITE

"Novos riscos são criados devido à intenção dos Estados Unidos de sepultar mais um acordo internacional, desta vez o de mísseis de médio e curto alcance", acrescentou o ministro russo.

O chanceler também citou que os países-membros da Organização do Tratado de Segurança Coletiva aprovaram uma declaração especial sobre o assunto, que é um documento da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa.

Não é a primeira vez que os EUA ameaçam deixar de participar de um tratado. Em 2002, sob a liderança de George W. Bush, Washington se retirou do Tratado de Mísseis Antibalísticos (ABM).

Já o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) foi firmado por EUA e União Soviética em 1987. O acordo proíbe a posse e o desenvolvimento de mísseis de curto e médio alcance. Os EUA alegam que a Rússia tenha violado o acordo INF com construção de mísseis proibidos. Moscou declarou inúmeras vezes que cumpre tudo que é necessário, e possui questões sérias quanto ao cumprimento do acordo pelos americanos.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas