Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

Israel adverte sobre possibilidade de realizar operação no Líbano

Segundo o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, há a possibilidade de que Israel realize uma operação no Líbano.


Sputnik

O motivo da operação seria a descoberta dos túneis escavados pelo grupo Hezbollah na região fronteiriça entre o Líbano e Israel.


Primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu (Foto de aquivo)
Benjamin Netanyahu © AP Photo / Sebastian Scheiner

"Estamos negando aos nossos inimigos a arma dos túneis de uma maneira sistemática e decidida, e faremos o que for necessário", enfatizou Netanyahu.

Além disso, ele afirmou que a operação está apenas iniciando. Entretanto, quando for concluída, o túnel do Hezbollah não será mais eficaz. De maneira contundente, o chefe do governo israelense ainda afirmou que qualquer um que tentar realizar um ataque ao seu país, "terá sangue sobre sua própria cabeça", referindo-se aos grupos Hezbollah e Hamas.

Netanyahu também argumentou, perante 25 embaixadores estrangeiros, que qualquer tipo de agressão deve ser condenado, além de se aumentarem as sanções contra estes grupos.

Israel provavelmente exigirá uma resposta da ONU sobre este assunto, tendo já convocado uma reunião do Conselho de Segurança.

O primeiro-ministro ressaltou que o país está preparado para lutar e neutralizará qualquer um que tente atacar o país. Por considerar que neutralizou o Hamas, Israel não planeja realizar uma operação na Faixa de Gaza.

Uma coisa que estaria evitando os esforços do Hezbollah para obter mísseis de precisão seria a presença russa na fronteira entre a Síria e o Líbano, segundo uma fonte do governo israelense disse ao portal Ynet.

Recentemente, Israel acusou o Hezbollah de construir túneis secretos através da fronteira do território do Estado judeu e anunciou o início da operação Escudo do Norte para destruí-los.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas