Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Jovens de Porto Rico são usados como 'bucha de canhão' pelo Exército dos EUA

Perante as dificuldades encontradas pelo país, a falta de perspectivas de trabalho na ilha e sem muita informação disponível, vários jovens são convencidos pelos recrutadores do Pentágono a se alistarem no exército americano.


Sputnik

A Sputnik Mundo entrevistou Sonia Santiago Hernández, fundadora do Mães contra a Guerra, um grupo de mulheres que são contra a prática de recrutamento.


Funeral de um soldado morto em combate
CC0 / US Army/Leo Martinez

Há 15 anos, o filho de Sonia foi convencido por um recrutador e passou a integrar o exército americano. Na ocasião, ele não informou seus pais sobre a decisão, pois sabia que eles eram contra a presença dos EUA em Porto Rico.

Em 2003, os EUA enviaram suas tropas ao Iraque sob pretexto de que o governo de Saddam Hussein matinha armas de destruição em massa, porém, isso nunca foi provado. Na ocasião, o filho de Sonia estava em uma das primeiras tropas enviadas ao Iraque com o único objetivo de usurpar o petróleo. Ele esteve 18 meses no Iraque, fazendo com que sua mãe transformasse suas angústias em ações de alerta aos jovens porto-riquenhos.

Atualmente, a taxa de desemprego em Porto Rico é de aproximadamente 40%, além das rigorosas medidas de austeridade impostas pelo controle fiscal que deixa a ilha sem poder reagir perante sua dívida de US$ 70 bilhões. Com isso, os EUA conseguem fazer com que os jovens se iludam com a promessa de uma vida melhor e de glória no exército americano, de acordo com a ativista.

"Porém, eles os utilizam sobretudo em sua agenda de ocupação e usurpação de recursos naturais e em tudo o mais ligado à hegemonia geopolítica dos EUA no mundo em suas centenas de bases", declarou Sonia Santiago Hernández.

Ela também conta que a experiência no campo de batalha no Oriente Médio tornou seu filho em uma pessoa "completamente incapacitada" devido aos diversos sintomas da síndrome de estresse pós-traumático, como insônia, pesadelos, ansiedade e nervosismo.

Sonia afirmou que seu filho foi submetido a diversas doses da vacina contra o antraz, o que deixou sequelas em seu filho, já que as doses foram aplicadas erroneamente, pois cada dose deve ser aplicada após decorrerem vários meses e não repetidamente, como foi o caso.

Além disso, após o retorno do campo de batalha, o governo americano não fornece nenhum tipo de assistência ao veterano de guerra incapacitado, o que dificulta o tratamento daqueles que sofrem traumas durante os combates.

Ela conta que diversos jovens sofrem traumas neurológicos provocados por agentes químicos como o urânio empobrecido, utilizado para penetrar a blindagem do inimigo, além de os alarmes de ataques bioquímicos dispararem devido à concentração de substâncias em seus uniformes. Entretanto, o governo dos EUA não presta apoio a esses jovens.

O fato não é uma novidade, já que o alistamento de porto-riquenhos no exército americano ocorre há mais de 100 anos. Tanto é que durante a Primeira Guerra Mundial aproximadamente 18.000 porto-riquenhos serviram aos EUA, pois na época o alistamento era obrigatório.

Durante a Segunda Guerra Mundial, 60.000 porto-riquenhos serviram os EUA, na Guerra da Coreia foram quase 70.000 e na Guerra do Vietnã praticamente 50.000.

Recentemente, o Comando Geográfico do Caribe, em Porto Rico, começou a operar, agrupando cinco batalhões com aproximadamente 5.000 membros, sendo uma das maiores concentrações militares na história da ilha.

"Não tenho nenhuma dúvida de que isso é um programa do Exército dos EUA para que os porto-riquenhos que sabem espanhol participem de uma agressão contra a Venezuela, caso seja necessário", declarou Sonia.

Ela ainda afirma que os EUA ocupam a região sob pretexto de ajudar os moradores locais em caso de desastres naturais. Contudo, os americanos são sempre os últimos a prestarem ajuda, quando prestam.

Os recrutadores americanos oferecem um contrato com as Forças Armadas dos EUA, que os vincula a um serviço de oito anos, sendo quatro deles em atividade e quatro na reserva.

Hoje, Sonia tenta orientar os jovens para que não firmem contratos militares através de uma campanha ativa e conscientização.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas