Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Gorbachov chama EUA para retomar diálogo com a Rússia sobre armas nucleares

O último presidente da União Soviética, Mikhail Gorbachov, pediu que os Estados Unidos retomem um "diálogo sério" com a Rússia sobre o problema das armas nucleares e alertou contra as "perigosas tendências destrutivas" na política mundial, em artigo publicado nesta quarta-feira no jornal "Vedomosti".
EFE

Moscou - Após constatar uma ruptura da comunicação entre Moscou e Washington, o ex-líder soviético se dirigiu em particular aos congressistas americanos para pedir que deixem de lado suas diferenças partidárias para facilitar um "diálogo sério" entre ambos os países.


"Estou convencido de que a Rússia está preparada (para o diálogo)", ressaltou Gorbachov, que manifestou preocupação com a suspensão, primeiro pelos EUA e depois pela Rússia, do Tratado de Eliminação dos Mísseis de Médio e Curto Alcance (INF), que ele assinou em 1987 com o então presidente americano, Ronald Reagan.

Gorbachov apontou que por trás da decisão de Washington de deix…

Jovens de Porto Rico são usados como 'bucha de canhão' pelo Exército dos EUA

Perante as dificuldades encontradas pelo país, a falta de perspectivas de trabalho na ilha e sem muita informação disponível, vários jovens são convencidos pelos recrutadores do Pentágono a se alistarem no exército americano.


Sputnik

A Sputnik Mundo entrevistou Sonia Santiago Hernández, fundadora do Mães contra a Guerra, um grupo de mulheres que são contra a prática de recrutamento.


Funeral de um soldado morto em combate
CC0 / US Army/Leo Martinez

Há 15 anos, o filho de Sonia foi convencido por um recrutador e passou a integrar o exército americano. Na ocasião, ele não informou seus pais sobre a decisão, pois sabia que eles eram contra a presença dos EUA em Porto Rico.

Em 2003, os EUA enviaram suas tropas ao Iraque sob pretexto de que o governo de Saddam Hussein matinha armas de destruição em massa, porém, isso nunca foi provado. Na ocasião, o filho de Sonia estava em uma das primeiras tropas enviadas ao Iraque com o único objetivo de usurpar o petróleo. Ele esteve 18 meses no Iraque, fazendo com que sua mãe transformasse suas angústias em ações de alerta aos jovens porto-riquenhos.

Atualmente, a taxa de desemprego em Porto Rico é de aproximadamente 40%, além das rigorosas medidas de austeridade impostas pelo controle fiscal que deixa a ilha sem poder reagir perante sua dívida de US$ 70 bilhões. Com isso, os EUA conseguem fazer com que os jovens se iludam com a promessa de uma vida melhor e de glória no exército americano, de acordo com a ativista.

"Porém, eles os utilizam sobretudo em sua agenda de ocupação e usurpação de recursos naturais e em tudo o mais ligado à hegemonia geopolítica dos EUA no mundo em suas centenas de bases", declarou Sonia Santiago Hernández.

Ela também conta que a experiência no campo de batalha no Oriente Médio tornou seu filho em uma pessoa "completamente incapacitada" devido aos diversos sintomas da síndrome de estresse pós-traumático, como insônia, pesadelos, ansiedade e nervosismo.

Sonia afirmou que seu filho foi submetido a diversas doses da vacina contra o antraz, o que deixou sequelas em seu filho, já que as doses foram aplicadas erroneamente, pois cada dose deve ser aplicada após decorrerem vários meses e não repetidamente, como foi o caso.

Além disso, após o retorno do campo de batalha, o governo americano não fornece nenhum tipo de assistência ao veterano de guerra incapacitado, o que dificulta o tratamento daqueles que sofrem traumas durante os combates.

Ela conta que diversos jovens sofrem traumas neurológicos provocados por agentes químicos como o urânio empobrecido, utilizado para penetrar a blindagem do inimigo, além de os alarmes de ataques bioquímicos dispararem devido à concentração de substâncias em seus uniformes. Entretanto, o governo dos EUA não presta apoio a esses jovens.

O fato não é uma novidade, já que o alistamento de porto-riquenhos no exército americano ocorre há mais de 100 anos. Tanto é que durante a Primeira Guerra Mundial aproximadamente 18.000 porto-riquenhos serviram aos EUA, pois na época o alistamento era obrigatório.

Durante a Segunda Guerra Mundial, 60.000 porto-riquenhos serviram os EUA, na Guerra da Coreia foram quase 70.000 e na Guerra do Vietnã praticamente 50.000.

Recentemente, o Comando Geográfico do Caribe, em Porto Rico, começou a operar, agrupando cinco batalhões com aproximadamente 5.000 membros, sendo uma das maiores concentrações militares na história da ilha.

"Não tenho nenhuma dúvida de que isso é um programa do Exército dos EUA para que os porto-riquenhos que sabem espanhol participem de uma agressão contra a Venezuela, caso seja necessário", declarou Sonia.

Ela ainda afirma que os EUA ocupam a região sob pretexto de ajudar os moradores locais em caso de desastres naturais. Contudo, os americanos são sempre os últimos a prestarem ajuda, quando prestam.

Os recrutadores americanos oferecem um contrato com as Forças Armadas dos EUA, que os vincula a um serviço de oito anos, sendo quatro deles em atividade e quatro na reserva.

Hoje, Sonia tenta orientar os jovens para que não firmem contratos militares através de uma campanha ativa e conscientização.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas