Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Marinha do Irã lança mísseis perto de porta-aviões americano

Navios iranianos efetuaram lançamento de mísseis perto do grupo naval norte-americano liderado por um porta-aviões que na sexta-feira (21) entrou no golfo Pérsico.


Sputnik

Além do porta-aviões USS John C. Stennis, o grupo de ataque também inclui o cruzador de mísseis USS Mobile Bay, os destróieres de mísseis USS Decatur e USS Mitscher e um submarino nuclear de ataque.


Navios de guerra da Marinha do Irã
Navios de guerra do Irã © AP Photo / Fars News Agency, Mahdi Marizad

Durante a entrada do grupo aeronaval da Marinha dos EUA liderado pelo porta-aviões USS John C. Stennis nas águas do golfo Pérsico, cerca de 30 navios do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica seguiram esse grupo naval, informou a agência Associated Press.

Destaca-se que os navios da Marinha estadunidense permanecerão no Oriente Médio por dois meses.

De acordo com o The Wall Street Journal, os EUA enviaram seus navios para essa zona marítima como uma demonstração de força ao Irã.

Anteriormente, uma fonte do jornal explicou que a presença do USS John C. Stennis "fornecerá definitivamente uma diferença positiva" no balanço de forças em caso de ações hostis do Irã nessas águas.

No início de dezembro, a agência Tasnim News informou que o destróier iraniano Sahand, munido com mísseis, havia se juntado à Marinha iraniana no golfo Pérsico. No dia 4 do mesmo mês, o presidente iraniano Hassan Rouhani sinalizou novamente a prontidão de o Irã bloquear o estreito de Ormuz (a faixa marítima mais movimentada do mundo para transporte de petróleo) se Trump interromper o comércio de petróleo da República Islâmica.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas