Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

Marinha do Irã lança mísseis perto de porta-aviões americano

Navios iranianos efetuaram lançamento de mísseis perto do grupo naval norte-americano liderado por um porta-aviões que na sexta-feira (21) entrou no golfo Pérsico.


Sputnik

Além do porta-aviões USS John C. Stennis, o grupo de ataque também inclui o cruzador de mísseis USS Mobile Bay, os destróieres de mísseis USS Decatur e USS Mitscher e um submarino nuclear de ataque.


Navios de guerra da Marinha do Irã
Navios de guerra do Irã © AP Photo / Fars News Agency, Mahdi Marizad

Durante a entrada do grupo aeronaval da Marinha dos EUA liderado pelo porta-aviões USS John C. Stennis nas águas do golfo Pérsico, cerca de 30 navios do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica seguiram esse grupo naval, informou a agência Associated Press.

Destaca-se que os navios da Marinha estadunidense permanecerão no Oriente Médio por dois meses.

De acordo com o The Wall Street Journal, os EUA enviaram seus navios para essa zona marítima como uma demonstração de força ao Irã.

Anteriormente, uma fonte do jornal explicou que a presença do USS John C. Stennis "fornecerá definitivamente uma diferença positiva" no balanço de forças em caso de ações hostis do Irã nessas águas.

No início de dezembro, a agência Tasnim News informou que o destróier iraniano Sahand, munido com mísseis, havia se juntado à Marinha iraniana no golfo Pérsico. No dia 4 do mesmo mês, o presidente iraniano Hassan Rouhani sinalizou novamente a prontidão de o Irã bloquear o estreito de Ormuz (a faixa marítima mais movimentada do mundo para transporte de petróleo) se Trump interromper o comércio de petróleo da República Islâmica.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas