Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Prestes a 'ganhar' território do tamanho da Arábia Saudita, Brasil carece de recursos para defesa

A ONU deve ratificar no próximo mês, o pleito brasileiro em estender sua faixa de águas jurisdicionais em pelo menos 2,1 milhões de km², uma área equivalente à extensão da Arábia Saudita. Para especialista ouvido pela Sputnik Brasil, movimento precisa vir acompanhado de modernização da Marinha.
Sputnik

Como a Sputnik Brasil mostrou em maio, a demanda já dura há pelo menos 30 anos e tem relação com medições técnicas sobre o ponto onde termina o Brasil continental e até onde é lícito explorar as águas do entorno. O mar territorial brasileiro têm atualmente cerca de 12 milhas náuticas (22 quilômetros) na faixa de água e uma zona econômica exclusiva de 200 milhas náuticas (370 quilômetros). Na parte de solo e sub-solo, área na qual o Brasil pleiteia a extensão, há um limite de mais 200 milhas regulamentadas.

Responsável pela proteção da área oceânica, a Marinha brasileira vem desenvolvendo pesquisas na região desde 2004. Os militares já identificaram potencial possibilidade de exploração de …

Não queremos armas nucleares dos EUA aqui, diz ministro de Relações Exteriores da Alemanha

O ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, disse que os mísseis nucleares americanos não devem estar estacionados na Alemanha ou em qualquer lugar da Europa, em meio a um debate de controle de armas de Washington com Moscou.


Sputnik

"A implantação de novos mísseis de médio alcance encontraria uma resistência generalizada na Alemanha", declarou Maas em entrevista à agência de notícias alemã dpa.


Base norte-americana de Ramstein, na Alemanha
Base aérea dos EUA em Ramstein, Alemanha © AP Photo /

Os EUA devem deixar o Tratado INF de 30 anos com a Rússia, que vem impedindo Washington de colocar mísseis na Europa. Ambos os países acusam um ao outro de violar o tratado, e ambos negam qualquer irregularidade de sua parte.

"De maneira nenhuma a Europa deve se tornar o cenário de um debate sobre o aumento de armas", ponderou Maas.

A implantação de armas nucleares em resposta a supostas violações de tratados é a lógica da era da Guerra Fria, acredita o diplomata alemão.

"O armamento nuclear é certamente a resposta errada", comentou. "A política dos anos 80 não ajuda a responder às questões de hoje".

Os EUA estão acusando a Rússia de construir mísseis proibidos pelo Tratado INF, enquanto Moscou diz que os sistemas americanos de defesa antimísseis já instalados na Europa Oriental podem ser facilmente convertidos em lançadores de mísseis balísticos ofensivos.

Em outubro, os EUA anunciaram que desistiriam do tratado, a menos que a Rússia suspendesse as supostas violações e, em dezembro, desse à Rússia um prazo de 60 dias para cumprir o acordo. De acordo com o vice-ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, Moscou foi imediatamente informada de que a decisão era definitiva, e não uma tentativa de iniciar um diálogo.

A Rússia alertou que teria que responder se os mísseis americanos estão estacionados na Europa, fazendo com que esses locais sejam alvos potenciais.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas