Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Não queremos armas nucleares dos EUA aqui, diz ministro de Relações Exteriores da Alemanha

O ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, disse que os mísseis nucleares americanos não devem estar estacionados na Alemanha ou em qualquer lugar da Europa, em meio a um debate de controle de armas de Washington com Moscou.


Sputnik

"A implantação de novos mísseis de médio alcance encontraria uma resistência generalizada na Alemanha", declarou Maas em entrevista à agência de notícias alemã dpa.


Base norte-americana de Ramstein, na Alemanha
Base aérea dos EUA em Ramstein, Alemanha © AP Photo /

Os EUA devem deixar o Tratado INF de 30 anos com a Rússia, que vem impedindo Washington de colocar mísseis na Europa. Ambos os países acusam um ao outro de violar o tratado, e ambos negam qualquer irregularidade de sua parte.

"De maneira nenhuma a Europa deve se tornar o cenário de um debate sobre o aumento de armas", ponderou Maas.

A implantação de armas nucleares em resposta a supostas violações de tratados é a lógica da era da Guerra Fria, acredita o diplomata alemão.

"O armamento nuclear é certamente a resposta errada", comentou. "A política dos anos 80 não ajuda a responder às questões de hoje".

Os EUA estão acusando a Rússia de construir mísseis proibidos pelo Tratado INF, enquanto Moscou diz que os sistemas americanos de defesa antimísseis já instalados na Europa Oriental podem ser facilmente convertidos em lançadores de mísseis balísticos ofensivos.

Em outubro, os EUA anunciaram que desistiriam do tratado, a menos que a Rússia suspendesse as supostas violações e, em dezembro, desse à Rússia um prazo de 60 dias para cumprir o acordo. De acordo com o vice-ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, Moscou foi imediatamente informada de que a decisão era definitiva, e não uma tentativa de iniciar um diálogo.

A Rússia alertou que teria que responder se os mísseis americanos estão estacionados na Europa, fazendo com que esses locais sejam alvos potenciais.

Comentários

Postagens mais visitadas