Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

National Interest avalia tentativas do Ocidente de intimidar a Rússia no mar Negro

O navio britânico de reconhecimento que entrou no mar Negro quis enviar um aviso à Rússia, indica a mídia americana, no entanto a falta de armamento a bordo mostra que a embarcação não é sequer capaz de se defender a si própria.


Sputnik

No início de dezembro, o navio HMS Echo da Marinha Real Britânica chegou ao porto ucraniano de Odessa. O envio da embarcação visou responder às "ações agressivas" da Rússia no mar Negro, escreve a revista The National Interest, referindo-se ao incidente no estreito de Kerch.


Navio HMS Echo da Marinha Real Britânica
HMS Echo da Marinha Real Britânica © AFP 2018/ YANNIS KOLESIDIS / POOL

Segundo destaca a edição, o HMS Echo é um navio hidrográfico equipado com sondas e sensores para recolha de dados militares. Ele tem dois canhões antiaéreos de 20 mm Oerlikon e algumas metralhadoras de grande calibre, ou seja, está pior armado que as lanchas ucranianas detidas pela Guarda Costeira russa.

Há pouco, o secretário de Defesa britânico, Gavin Williamson, declarou que a chegada deste navio no mar Negro é um aviso para a Rússia e também significa que a Ucrânia "pode contar com um parceiro confiável na pessoa do Reino Unido". Não obstante, a capacidade desta embarcação de resistir a um ataque maciço parece duvidoso, destaca-se no artigo.

Nessa conexão, a revista acrescenta que este não é o único exemplo de "apoio" prestado à Ucrânia. A discrepância entre a determinação política do Ocidente e a crescente "ameaça russa" frequentemente leva a "ações de fachada" ao invés de uma verdadeira demonstração de força.

Em particular, a publicação cita, como exemplo, o voo de uma aeronave de reconhecimento OC-135 da Força Aérea dos EUA sobre a Ucrânia no início de dezembro, realizado a pedido de Kiev. Segundo declarou o Pentágono, este voo "foi concebido para confirmar a fidelidade dos EUA à Ucrânia e a outros países parceiros". Na verdade, o avião sobrevoou o território da Ucrânia a uma grande distância de Donbass e da Crimeia.

"Eles não sobrevoaram as áreas disputadas. Acredito que foi um voo de treinamento que foi bem exagerado e embelezado para que o público o aceitasse como um ‘sinal para a Rússia'", diz Steffan Watkins, especialista independente em segurança e analista de informações, citado pela revista.

Assim, enfatiza a edição, a chegada do navio HMS Echo na Ucrânia também não é algo que "assuste" a Rússia. No entanto, o Ministério da Defesa britânico pretende continuar a apoiar a Ucrânia, planejando enviar seus militares para lá em 2019 para ajudarem no treinamento das tropas ucranianas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas