Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

National Interest julga embaixador dos EUA por críticas sobre Tu-160 russo

Após dois bombardeiros Tu-160 terem realizado voo à Venezuela, o embaixador dos EUA na Colômbia, Kevin Whitaker, chamou-os de "peças de museu". A revista norte-americana The National Interest tratou ceticamente as palavras do alto funcionário dos EUA.


Sputnik

Segundo a edição, levando em conta as capacidades atuais do bombardeiro estratégico russo, batizado de "cisne branco", bem como a modernização futura ao nível do Тu-160М2, pode-se concluir que esses aviões permanecerão relevantes no futuro próximo.


Um bombardeiro estratégico Tu-160
Tupolev Tu-160 © flickr.com/ cryogenic666

O autor do artigo afirma que na "atmosfera da postura política" é necessário primeiramente levar em consideração o nível de capacidades dos portadores de mísseis russos. A era da tecnologia não significa obrigatoriamente o seu atraso, assinala The National Interest, acrescentando que os caças norte-americanos F-16, que são 10 anos mais velhos do que os Tu-160, supostamente ainda permanecerão em serviço dos EUA até 2040.

Entretanto, os bombardeiros estratégicos, tais como o Tu-160, não devem obrigatoriamente corresponder aos últimos avanços da indústria aeronáutica em cumprimento de suas tarefas imediatas, diz o artigo. O Tu-160 representa uma ameaça, pois são capazes de levar com sucesso até ao alvo sua carga de combate, o que foi demonstrado na Síria, escreve a edição.

Além disso, a Rússia planeja modernizar sua frota de aeronaves capazes de levar mísseis, segundo o autor. Em 2019, planeja-se expandir a produção do Тu-160М2 modernizado, que será equipado com aviônicos modernos e motores aperfeiçoados, o que evidencia o sucesso do modelo básico de avião, concluiu a publicação.

O bombardeiro estratégico russo Tu-160 é considerado o maior e mais poderoso avião supersônico na história da aviação militar, bem como a aeronave militar mais pesada. O Tu-160 está em serviço desde 1987, e foi usado pela primeira vez em condições de combate na Síria em 2015.

Comentários

Postagens mais visitadas