Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Novo míssil chinês de lançamento submarino poderia causar sérios danos nos EUA, diz mídia

Arsenal nuclear chinês é pequeno em comparação com os arsenais russo e americano, contudo, ele é suficiente para causar grandes danos aos EUA.


Sputnik

O teste de lançamento de um míssil submarino chinês deixou isso muito claro. O primeiro voo de teste do novo míssil JL-3 foi realizado em novembro na baía de Bohai Bay, no mar Amarelo.


Submarino chinês | Reprodução

Segundo a revista The National Interest, o novo míssil possui um alcance de aproximadamente 9.000 quilômetros. Apesar de seu alcance ser menor do que o alcance atingido pelo míssil americano Trident II ou pelo Bulava russo, ele representa um grande avanço para os chineses.

Mesmo com seus 9.000 quilômetros de alcance, o míssil poderia atingir os EUA, já que a distância entre Shangai e Honolulu é de aproximadamente 7.900 quilômetros, entrando no alcance dos mísseis de lançamento submarino da China.

No caso de Washington, a distância é de 11.900 quilômetros. Apesar de estar fora do alcance do míssil, isso não seria um problema, já que os submarinos chineses podem navegar nas proximidades dos EUA, fazendo com que as cidades americanas estejam ao alcance dos mísseis.

O Pentágono acredita que, atualmente, a China possua quatro submarinos da classe Jin, equipados com 12 mísseis JL-2 cada um. Além disso, ela contará nos anos 2020 com submarinos da classe Type 096, que serão equipados com mísseis JL-3.

Segundo o jornal South China Morning Post, a China não pretende entrar em uma corrida armamentista com os EUA. Além disso, o país pretende desenvolver apenas um pequeno número de submarinos com mísseis balísticos, pois a intenção dos chineses é terem a capacidade de efetuar um contra-ataque de resposta eficaz e poderoso em caso de serem atacados com armas nucleares.

De qualquer modo, o alcance do JL-3 permite que a China vise alvos no continente americano sem correr riscos, longe da costa chinesa, mas em águas onde o submarino pode ser mais vulnerável a ataques em caso de confronto.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas