Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

O que permite à Rússia sair vencedora de conflitos internacionais? Jornal francês explica

Rússia consegue sair vencedora, já ao longo de muitos anos, da maioria dos conflitos geopolíticos internacionais e, de acordo com o jornal francês Figaro, esse mérito deve ser atribuído ao presidente russo, Vladimir Putin.


Sputnik

A edição destaca que a excelente e profunda formação acadêmica do líder russo desempenha um papel vital na tomada de decisões políticas e, consequentemente, afeta o rumo exterior do país em geral.


Presidente russo Vladimir Putin participa da cerimônia de entrega das credenciais de embaixadores estrangeiros no Palácio Estatal do Kremlin, junto com o chanceler Sergei Lavrov (à esquerda) e o assessor da presidência, Yuri Ushakov (à direita)
Sergei Lavrov, Vladimir Putin (ao centro) e Yuri Ushakov © Sputnik / Aleksei Druzhinin

Em particular, seus conhecimentos de geografia, do mapa político do mundo e os traços especiais de cada país e de cada povo, com sua cultura única, permitem ao presidente russo atingir o sucesso na arena mundial, destaca o jornal.

Para ilustrar tal ponto de vista, a mídia francesa dá o exemplo do encontro de Putin com o ministro da Agricultura, Aleksandr Tkachev. Quando o ministro começou a falar sobre exportação russa de carne de porco à Indonésia, Putin parou seu relato e apontou para um erro sério. O presidente indicou que se trata de um país maioritariamente muçulmano, onde a maioria de população, ou seja 87%, não consome esse tipo de carne. Portanto, não vale a pena exportá-la a essa região.

Nessa conexão, o Figaro ressalta que, em comparação com outros líderes mundiais, Vladimir Putin percebe a diferença existente entre vários povos em diferentes partes do mundo, o que, por sua vez, lhe permite conduzir uma política bem ponderada.

Ao falar sobre outros líderes nacionais, o jornal sublinha que eles não entendem nada sobre diferenças regionais. Por exemplo, uma vez o presidente estadunidense Donald Trump confundiu a Áustria com a Austrália, enquanto o presidente francês Emmanuel Macron chamou de ilha a Guiana Francesa — um departamento ultramarino da França na costa atlântica da América do Sul.

É evidente que conhecimentos tão fracos de geografia resultam em um desconhecimento absoluto de assuntos geopolíticos cruciais e em desejos de obter benefícios de curta duração.

Na lista de causas que levaram a uma diferença tão significativa na formação de líderes mundiais, o jornal nomeia, em primeiro lugar, os fracos sistemas de ensino no Ocidente que não prestam atenção suficiente a disciplinas importantes como, por exemplo, a geografia.

Em segundo lugar, segundo a mídia, o problema é que a muitos líderes ocidentais falta interesse por essas questões, pois se preocupam só com assuntos econômicos e financeiros ou mesmo com temas ainda mais inúteis.

Tudo isso significa que eles não possuem uma estratégia definida de longo prazo, que os ajudaria a diferenciar os amigos e inimigos, a entender qual é a balanço de forças real entre os Estados e quais as regiões do planeta em que é vital manter o equilíbrio para preservar a paz em todo o mundo.

Não obstante, isso permite explicar por que a Rússia, com sua estratégia bem definida, sai como vencedora da maioria dos conflitos internacionais, resume a edição.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas