Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

Poroshenko anuncia deslocamento de tropas paraquedistas para costa do mar de Azov

Kiev está deslocando unidades de paraquedistas para a costa do mar de Azov e mar Negro, declarou o presidente ucraniano Pyotr Poroshenko durante a sua visita à parte da região de Donetsk controlada pelas autoridades ucranianas.


Sputnik

Segundo o presidente ucraniano, entre outros serão deslocados, por via aérea, destacamentos da 95ª brigada, que também reforçarão a defesa da costa, comunicou um canal de TV ucraniano.


Pyotr Poroshenko, presidente da Ucrânia (foto de arquivo)
Pyotr Poroshenko © Foto : Serviço de imprensa do presidente da Ucrânia

Poroshenko acrescentou que, depois da imposição da lei marcial, foi realizado o treinamento em prazos curtos das brigadas que defendem o flanco mais perigoso.

O líder ucraniano assinalou que o exército foi posto em prontidão de combate. Adicionalmente, foram acionados o Serviço de Fronteiras, a Guarda Nacional e o Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU), acrescentando que a proteção da fronteira nacional foi reforçada.

O deputado russo Aleksandr Sherin opina que a declaração de Poroshenko é mais uma forma de elevar a sua popularidade e um pretexto para prolongar a lei marcial. Segundo ele, a decisão não é adequada do ponto de vista militar, nem do ponto de vista de ações militares táticas ou estratégicas.

"O que ele anuncia lembra um jogo de computador de uma pessoa que nunca serviu no exército", disse o político russo.

Provocações no mar Negro

A situação na região se agravou depois que três navios da Marinha ucraniana atravessaram a fronteira da Rússia, violando assim o direito marítimo. Em 25 de novembro, as embarcações entraram em águas temporariamente fechadas e efetuaram manobras perigosas, ignorando as exigências da Guarda Costeira russa.

A Guarda Costeira russa se viu obrigada a usar armas. Em seguida, os três navios ucranianos foram apreendidos e as tripulações foram detidas. O lado russo abriu um processo criminal por violação da fronteira.

Após o incidente, o parlamento ucraniano aprovou a imposição da lei marcial em 10 regiões da Ucrânia por 30 dias.

Segundo o líder russo, a ação hostil ucraniana no mar Negro está associada à baixa popularidade do presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, em vésperas das eleições.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas