Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Como governo Trump esvaziou resolução da ONU contra estupro em guerras

A oposição do presidente americano, Donald Trump, à legalização do aborto levou ao esvaziamento de uma resolução das Nações Unidas contra o uso de violência sexual como arma de guerra.
BBC News Brasil

Os Estados Unidos retiraram todas as referências a "saúde sexual e reprodutiva" do texto, o que, na prática, reduz o peso da resolução. O documento havia sido submetido pela Alemanha ao Conselho de Segurança da ONU. Estados Unidos, China e Rússia ameaçaram vetá-lo, se fosse mantida a redação original.

O governo Trump se opôs às menções à "saúde sexual e reprodutiva" das mulheres, com o argumento de que esse termo indica apoio ao aborto. Uma versão da resolução que exclui essa frase foi aprovada por 13 votos a 0, com abstenções de Rússia e China.

O embaixador da França nas Nações Unidas, François Delattre, criticou a exclusão do trecho, dizendo que a decisão afeta a dignidade das mulheres.

"É intolerável e incompreensível que o Conselho de Segurança da ONU seja incapaz…

Preparos para guerra? Força Aérea dos EUA simula invasão de território estrangeiro

A Força Aérea dos EUA efetuou grandes manobras simulando invasão de um território estrangeiro, relatou o portal The Drive.


Sputnik

Vários aviões de transporte militares C-17 e C-130 foram detectados voando em linha durante os exercícios Joint Forcible Entry 18 (Entrada Forçada Conjunta) que decorreram no sudoeste dos Estados Unidos, em Nevada, durante a noite, segundo The Drive.


Avião de transporte aéreo,C-130 Hércules, da Força Aérea americana na Conferência Internacional de armamentos e equipamentos militares na base da Força Aérea africana em Pretória
C-130 Hércules da USAF © Sputnik / Valeriy Melnikov

As manobras, realizadas primeiramente pelo Comando de Mobilidade Aérea da Força Aérea americana, visam treinar uma operação em que forças aéreas e terrestres entram em massa no território de um inimigo para montar uma oficina de combate.

Portais de monitoramento de voo, como o portal CivMilAir, divulgaram algumas imagens mostrando os aviões que participaram e que posições ocuparam durante as manobras que decorreram em 8 de dezembro.

No ano passado, o Comando de Mobilidade Aérea efetuou exercícios semelhantes com forças do Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia e Canadá.

As manobras são uma das mais complexas realizadas pelos EUA e combinam recursos de todos os tipos, incluindo caças, aviões de monitoramento, plataformas de guerra eletrônica, bem como forças terrestres e equipamento que são lançados ou deixados no território de um inimigo, escreve The Drive.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas