Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

'Presença militar dos EUA na Síria dificulta luta antiterrorista', diz diplomacia russa

A representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, declarou nesta quinta-feira (13) que a presença militar dos EUA na Síria não ajuda, mas dificulta a luta contra o terrorismo no país.


Sputnik

Em 12 de dezembro, o comissário especial dos EUA na coalizão internacional contra o Daesh (auto-intitulado Estado Islâmico, proibido na Rússia e outros países), Brett McGurk, declarou que atualmente os EUA e seus aliados enfrentam dificuldades na luta contra os terroristas na Síria.


Resultado de imagem para presença militar dos EUA na Síria
Militares dos EUA no norte da Síria © AP Photo / Hussein Malla

A representante da chancelaria russa enfatizou que tais declarações buscam justificar a presença ilegal armada dos Estados Unidos.

"De acordo com as estimativas russas, [a presença americana] não apenas não responde aos interesses da eliminação final dos terroristas internacionais na Síria, mas também se torna um obstáculo real para atingir esse objetivo", disse Maria Zakharova em entrevista coletiva.

A Síria vive desde março de 2011, um conflito no qual as tropas do governo enfrentam facções armadas da oposição e grupos terroristas.

Os EUA intervieram no conflito sírio em setembro de 2014, liderando uma coalizão internacional que começou a bombardear as posições de grupos terroristas sem o consentimento de Damasco.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas