Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Capacetes brancos preparam novas provocações na Síria, diz enviado russo na ONU

Membros dos Capacetes Brancos estão preparando novas provocações com substâncias tóxicas na Síria, disse o vice-embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, nesta quarta-feira (24) na reunião do Conselho de Segurança da ONU.
Sputnik

Safronkov observou que os Capacetes Brancos acusariam o governo sírio pelo uso de tais substâncias.

Mais cedo nesta quarta-feira (24), o Major General Viktor Kupchishin, chefe do Centro Russo para a Reconciliação Síria, argumentou que funcionários da mídia estrangeira na província síria de Hama conduziram uma filmagem falsa da "morte" de uma família supostamente devido ao uso de armas químicas pelas tropas sírias.

Em diversas ocasiões, Moscou e Damasco apontaram que os Capacetes Brancos estavam produzindo provocações envolvendo o uso de armas químicas com o objetivo de culpar o governo da Síria e dar aos países ocidentais justificativas para a intervenção no país.
A estratégia de encenar ataques para usá-los como falsa bandeira tem sido usada repetida…

Presidente do Chile anuncia emenda constitucional para facilitar remoção de militares

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, anunciou nesta quarta-feira (26) uma emenda à Constituição para remover gestores das Forças Armadas de maneira mais simples e direta.


Sputnik

"Vamos enviar uma reforma constitucional para acabar com o antigo mecanismo de remoção", disse Piñera em entrevista ao Canal 13.


Sebastián Piñera, presidente do Chile
Sebastián Piñera © AFP 2018 / Odd Andersen

Na semana passada, Piñera anunciou na televisão nacional sua decisão de remover o diretor dos Carabineros, o general Hermes Soto, após o assassinato do indígena Camilo Catrillanca. Os Carabineiros são uma espécie de polícia militar do país.

No entanto, Soto se recusou a renunciar. O impasse obrigou o governo a acionar um mecanismo nunca utilizado da Constituição em que o Governo Federal pede a destituição do líder militar e explica seus motivos ao Congresso e ao Controlador-Geral da República.

Piñera pretende simplificar esse processo e argumentou que "os comandantes das Forças Armadas e o diretor-general dos Carabineros devem ser subordinados ao poder civil e quando o presidente pede a demissão devem renunciar no ato".

Na sexta-feira, 21 de dezembro, o governo conseguiu demitir o general Soto e nomeou o general Mario Rozas.

A saída de Soto é uma das muitas facetas da crise desencadeada pelo assassinato da liderança indígena Catrillanca na Araucanía. Da origem Mapuche, ele foi morto com um tiro nas costas das forças policiais.

Mais de 20 funcionários dos Carabineros já foram demitidos por conta do episódio, e quatro deles estão sendo processados ​​por acusações de homicídio e obstrução da justiça.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas