Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Qual seria estratégia da China para aniquilar Força Aérea dos EUA?

A Força Aérea da China está tentando competir e derrotar a Força Aérea dos EUA através de estratégias audaciosas, afirma mídia.


Sputnik

A China está utilizando uma estratégica que vai muito além da competição. Para isso, o país está adquirindo tecnologias como podem, sejam elas copiadas, usurpadas ou inovações próprias, afirma The National Interest.


Caça furtivo chinês J-20
Chengdu J-20 © Foto: Public Domain / Sunson Guo

Segundo o especialista americano Scott Harold, a Força Aérea da China possui o objetivo de defender o espaço aéreo do país, o processo de um conflito sobre Taiwan e a projeção de superioridade com relação a ilhas disputadas.

A principal estratégia utilizada pelos chineses para alcançar meta é confiar em suas novas e antigas tecnologias, além de copiar tecnologias de outras potências militares. Além disso, o legado das capacidades da força aeroespacial da China é derivado da Guerra Fria.

Outro fato que comprova essa estratégia chinesa é a compra de caças russos Su-27. A China utilizou caças russos Su-27 para obter parte da tecnologia utilizada no motor, consequentemente, criando o motor chinês, ou seja, os chineses absorveram parte da tecnologia russa e aplicaram nas inovações chinesas.

Porém, deve ser ressaltado que, a China é líder mundial em tecnologia hipersônica, isso porque o líder chinês decidiu criar munições velozes, muito valiosas para a defesa do país, prevenindo as ações dos EUA nas proximidades do país. Fato que destaca o potencial chinês, já que nenhum outro país está investindo em tecnologia hipersônica.

As aeronaves chinesas possuem características de diversos caças americanos, além de caças russos e tecnologias israelenses, segundo a revista The National Interest.

O país asiático iniciou a organização de seus próprios treinamentos, visando superioridade aérea, com o objetivo de derrotar a Força Aérea dos EUA.

Além disso, os chineses desejam desenvolver satélites de vigilância em elevadas quantidades, ou seja, o gigante asiático não está preocupado com a corrida espacial dos EUA, mas, sim, está construindo obstáculos para as forças americanas, através de armas antissatélite para que a Força Aérea dos EUA não possua equipamentos similares. Com esses satélites, a China dominaria o espaço sem qualquer corrida espacial.

Porém, a China escolheu combater os EUA, e em tempos de guerra, em um eventual combate aéreo direto, a China contará com aeronaves e treinamentos similares aos dos EUA, além de a China estar desenvolvendo caças melhores, pilotos mais velozes e em uma quantidade maior do que os EUA, o que pode se tornar um grande perigo para os norte-americanos.

Comentários

Postagens mais visitadas