Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Relatório da CIA indica que príncipe saudita 'provavelmente ordenou' assassinato de Khashoggi, diz jornal

Segundo 'Wall Street Journal', agência americana obteve mensagens enviadas por Salmán a assessor que supervisionou execução do jornalista.


France Presse

A agência de inteligência dos Estados Unidos tomou conhecimento de uma série de mensagens enviadas pelo príncipe herdeiro saudita, Mohamed bin Salmán, horas antes e depois do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, ao assessor que supervisionou a operação, informou neste sábado (dia 1º) o "Wall Street Journal".

Príncipe herdeiro Mohamed ben Salman, da Arábia Saudita — Foto: Bandar Algaloud / Media Office Of Mohammed Bin Salman / AFP
Príncipe herdeiro Mohamed ben Salman, da Arábia Saudita — Foto: Bandar Algaloud / Media Office Of Mohammed Bin Salman / AFP

O jornal publicou trechos do relatório secreto da CIA segundo o qual Salmán "provavelmente" ordenou a morte do jornalista saudita, assassinado em outubro durante uma visita ao consulado de seu país em Istambul.

O relatório informa que o príncipe escreveu pelo menos 11 mensagens a seu assessor mais próximo, Saud al-Qahtani, que supervisionou a equipe de 15 homens enviados à Turquia para assassinar Khashoggi.

O conselheiro real foi demitido e acusado formalmente na Arábia Saudita de ter desempenhado um papel central no caso. Al-Qahtani se comunicou diretamente com o líder da equipe durante a operação, segundo a CIA. O "Wall Street Journal" não especifica o tipo de mensagem.

A CIA ignora o conteúdo das mensagens enviadas, mas seu relatório conclui, com grau de certeza "de moderado a alto", que o príncipe "mirou pessoalmente" em Khashoggi e, "provavelmente, ordenou o seu assassinato".

"Faltam informações diretas que mostrem que o príncipe herdeiro emitiu uma ordem de assassinato", assinala o relatório.

Os espiões americanos também informam que o líder saudita disse a pessoas próximas, em agosto de 2017, que, se não podia levar Khashoggi para a Arábia Saudita, "eventualmente poderíamos atraí-lo fora do país e fazer arranjos", o que "parece antecipar a operação saudita lançada contra Khashoggi".

O conteúdo exato do relatório da CIA é amplamente discutido em Washington desde que o presidente americano, Donald Trump, declarou publicamente que o serviço de inteligência "não encontrou nada absolutamente certo".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas