Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Resolução dos EUA para condenar atividades do Hamas é rejeitada na Assembleia Geral

A Assembleia Geral da ONU rejeitou na quinta-feira (6) uma resolução proposta pelos Estados Unidos que condenava o Hamas e outros grupos militantes da Faixa de Gaza.


ONU

A resolução condenava o Hamas por “repetidamente disparar foguetes contra Israel e por incitar violência, logo, colocando civis em riscos”, e por uso de recursos em Gaza para construir infraestruturas militares, “incluindo túneis para infiltração em Israel e equipamentos para lançar foguetes contra áreas civis”.

Sessão da Assembleia Geral da ONU sobre a situação no Oriente Médio. Foto: ONU/Loey Felipe
Sessão da Assembleia Geral da ONU sobre a situação no Oriente Médio. Foto: ONU/Loey Felipe

A proposta também especificava a necessidade de maior engajamento do secretário-geral da ONU e do coordenador especial das Nações Unidas para o Processo de Paz no Oriente Médio em esforços para amenizar a situação em Gaza.

Uma votação processual realizada antes da votação principal – pedindo que esta fosse decidida por maioria de dois terços – foi aprovada na câmara, diminuindo as chances de a resolução passar. No total, 87 votaram a favor, 57 contra e 33 se abstiveram, o que significou que a resolução não conseguiu maioria de dois terços.

Antes da votação, a representante permanente dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, afirmou que, apesar das mais de 500 resoluções da Assembleia Geral condenado Israel, nenhuma condenando o Hamas foi adotada.

Ela descreveu necessidade de maioria de dois terços como “injusta”, acrescentando que a resolução do Hamas era uma oportunidade para Estados “fazerem a coisa certa”.

O embaixador israelense, Danny Danon, disse que a resolução era uma chance para “redenção da ONU” e que aqueles que votaram contra “deveriam se envergonhar”.

Diversos Estados explicaram as razões pelo voto contra a resolução. O representante da Arábia Saudita afirmou que, desde 1967, Israel não respeita quaisquer resoluções do Conselho de Segurança ou da Assembleia Geral. Representantes do Irã e do Kuwait afirmaram que a resolução “ignora” e “tira atenção” das raízes do conflito.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas