Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

Resolução dos EUA para condenar atividades do Hamas é rejeitada na Assembleia Geral

A Assembleia Geral da ONU rejeitou na quinta-feira (6) uma resolução proposta pelos Estados Unidos que condenava o Hamas e outros grupos militantes da Faixa de Gaza.


ONU

A resolução condenava o Hamas por “repetidamente disparar foguetes contra Israel e por incitar violência, logo, colocando civis em riscos”, e por uso de recursos em Gaza para construir infraestruturas militares, “incluindo túneis para infiltração em Israel e equipamentos para lançar foguetes contra áreas civis”.

Sessão da Assembleia Geral da ONU sobre a situação no Oriente Médio. Foto: ONU/Loey Felipe
Sessão da Assembleia Geral da ONU sobre a situação no Oriente Médio. Foto: ONU/Loey Felipe

A proposta também especificava a necessidade de maior engajamento do secretário-geral da ONU e do coordenador especial das Nações Unidas para o Processo de Paz no Oriente Médio em esforços para amenizar a situação em Gaza.

Uma votação processual realizada antes da votação principal – pedindo que esta fosse decidida por maioria de dois terços – foi aprovada na câmara, diminuindo as chances de a resolução passar. No total, 87 votaram a favor, 57 contra e 33 se abstiveram, o que significou que a resolução não conseguiu maioria de dois terços.

Antes da votação, a representante permanente dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, afirmou que, apesar das mais de 500 resoluções da Assembleia Geral condenado Israel, nenhuma condenando o Hamas foi adotada.

Ela descreveu necessidade de maioria de dois terços como “injusta”, acrescentando que a resolução do Hamas era uma oportunidade para Estados “fazerem a coisa certa”.

O embaixador israelense, Danny Danon, disse que a resolução era uma chance para “redenção da ONU” e que aqueles que votaram contra “deveriam se envergonhar”.

Diversos Estados explicaram as razões pelo voto contra a resolução. O representante da Arábia Saudita afirmou que, desde 1967, Israel não respeita quaisquer resoluções do Conselho de Segurança ou da Assembleia Geral. Representantes do Irã e do Kuwait afirmaram que a resolução “ignora” e “tira atenção” das raízes do conflito.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas