Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

Retirada dos EUA da Síria seria um plano estratégico para prejudicar China?

Especialistas acreditam que a retirada dos militares dos EUA da Síria poderia significar uma mudança no pensamento estratégico dos EUA, reconsiderando suas políticas na região Indo-Pacífica.


Sputnik

A retirada americana gera incertezas no investimento projetado para a reconstrução do país árabe pela China, informa o jornal The South China Morning Post.


Membros das Forças Especiais dos EUA realizando treinamento durante operações contra grupo Daesh no sul da Síria
Tropas norte-americanas na Síria | CC0 / Staff Sgt. Jacob Connor / 5th Special Forces Group (Airborne)

Alguns especialistas acreditam que isso provavelmente elevará a instabilidade na Síria, além de poder significar uma mudança no pensamento estratégico americano, pois poderá ficar mais atento à região Indo-Pacífica, realizando uma reconsideração de suas políticas nessa região.

Para Wang Jian, especialista em Oriente Médio da Academia de Ciências Sociais da China, o país asiático mantém uma distância em relação ao conflito na Síria, contudo, ele tem interesse em promover sua presença econômica no país dentro da Iniciativa do Cinturão e Rota da Seda.

Ele também ressalta que a retirada das tropas poderia piorar a situação relacionada à segurança no país, causando um aumento dos riscos para as empresas chinesas e dificultando a cooperação econômica com a Síria, Turquia, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

A China comerciava e investia na Síria até 2011, quando o comércio bilateral entre os dois países alcançou US$ 2,4 bilhões (R$ 9,3 bilhões), porém, quase todas as empresas chinesas deixaram ou suspenderam as operações na região.

Perante esta situação, a China adotou algumas medidas, como a proposta de um plano de reconstrução econômica da Síria, que se iniciaria com a construção de um polígono industrial no país capaz de abrigar até 150 empresas chinesas.

Com isso, o especialista conclui que a retirada das tropas dos EUA poderia significar que o Oriente Médio perdeu importância estratégica para os Estados Unidos e que eles prestam mais atenção à região Indo-Pacífica, considerando que a China já é o principal desafio a longo prazo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas