Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Retirada dos EUA da Síria seria um plano estratégico para prejudicar China?

Especialistas acreditam que a retirada dos militares dos EUA da Síria poderia significar uma mudança no pensamento estratégico dos EUA, reconsiderando suas políticas na região Indo-Pacífica.


Sputnik

A retirada americana gera incertezas no investimento projetado para a reconstrução do país árabe pela China, informa o jornal The South China Morning Post.


Membros das Forças Especiais dos EUA realizando treinamento durante operações contra grupo Daesh no sul da Síria
Tropas norte-americanas na Síria | CC0 / Staff Sgt. Jacob Connor / 5th Special Forces Group (Airborne)

Alguns especialistas acreditam que isso provavelmente elevará a instabilidade na Síria, além de poder significar uma mudança no pensamento estratégico americano, pois poderá ficar mais atento à região Indo-Pacífica, realizando uma reconsideração de suas políticas nessa região.

Para Wang Jian, especialista em Oriente Médio da Academia de Ciências Sociais da China, o país asiático mantém uma distância em relação ao conflito na Síria, contudo, ele tem interesse em promover sua presença econômica no país dentro da Iniciativa do Cinturão e Rota da Seda.

Ele também ressalta que a retirada das tropas poderia piorar a situação relacionada à segurança no país, causando um aumento dos riscos para as empresas chinesas e dificultando a cooperação econômica com a Síria, Turquia, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

A China comerciava e investia na Síria até 2011, quando o comércio bilateral entre os dois países alcançou US$ 2,4 bilhões (R$ 9,3 bilhões), porém, quase todas as empresas chinesas deixaram ou suspenderam as operações na região.

Perante esta situação, a China adotou algumas medidas, como a proposta de um plano de reconstrução econômica da Síria, que se iniciaria com a construção de um polígono industrial no país capaz de abrigar até 150 empresas chinesas.

Com isso, o especialista conclui que a retirada das tropas dos EUA poderia significar que o Oriente Médio perdeu importância estratégica para os Estados Unidos e que eles prestam mais atenção à região Indo-Pacífica, considerando que a China já é o principal desafio a longo prazo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas