Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

Rússia é capaz de neutralizar navios americanos no mar Negro, diz capitão russo

Nesta sexta-feira (7), o capitão-de-mar-e-guerra Mikhail Nenashev, da Marinha russa, disse que os EUA não pensam em dar uma resposta militar ao incidente no estreito de Kerch porque entendem que Rússia tem as forças e meios suficientes para neutralizá-los.


Sputnik


"Eles [EUA] temem que com seus navios aconteça a mesma coisa que ocorreu com as lanchas da Ucrânia detidas no estreito de Kerch. Em caso de agressão dos EUA no mar Negro, a Rússia é capaz de neutralizar seus navios; a Rússia tem forças e meios suficientes para isso", disse Nenashev.


USS Mount Whitney, navio da sexta frota dos EUA (imagem de arquivo)
USS Mount Whitney da 6ª Frota dos EUA © AP Photo / Efrem Lukatsky

"Há pessoas sensatas no comando militar dos EUA que estão calculando esse resultado e, portanto, estão tentando que o assunto não evolua para um conflito militar", adicionou.

Há poucos dias, o chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA, Joseph Dunford, afirmou que Washington não estava considerando a possibilidade de uma resposta militar em relação à detenção de três navios ucranianos por violarem a fronteira da Rússia, e que não debateu esse assunto com o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia, Valery Gerasimov.

Anteriormente, os EUA começaram os preparativos para o envio de navios de guerra para o mar Negro em meio ao incidente no estreito de Kerch, comunicou o canal de notícias CNN citando fontes.

Em 25 de novembro, a fronteira russa foi violada por três navios da Marinha ucraniana, que foram detidos, juntamente com seus 24 tripulantes, por não respeitarem as exigências legítimas das autoridades russas.

O incidente no estreito de Kerch foi classificado como uma provocação pelo presidente russo, Vladimir Putin, pois entre os membros da tripulação dos navios ucranianos havia dois agentes dos serviços de segurança da Ucrânia. Segundo o líder russo, a hostilidade no mar Negro está associada a uma baixa classificação no ranking do presidente da Ucrânia em vésperas das eleições ucranianas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas