Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Ucrânia tem potencial para criar armas nucleares, diz general ucraniano

A Ucrânia tem capacidades intelectuais, organizacionais e financeiras únicas para criar suas próprias armas nucleares, declarou ao canal Obozrevatel o general-major Pyotr Garaschuk, ex-representante da missão da Ucrânia na OTAN.


Sputnik


"Digo mais uma vez, temos todo o potencial para desenvolver e lançar [nossas] próprias armas nucleares", afirmou Garaschuk ao canal.


ICBM SS-18 "Satanás"
ICBM SS-18 "Satanás"

O general acrescentou que Kiev tem a capacidade de criar não apenas bombas atômicas, mas também ogivas nucleares para mísseis.

Garaschuk afirma que, nas condições atuais, a Ucrânia não deve ter medo de nenhuma sanção internacional em relação à criação de armas nucleares.

O Memorando de Budapeste, assinado em 5 de dezembro de 1994 pelos líderes da Ucrânia, Rússia, EUA e Grã-Bretanha, tornou-se um documento que privou Kiev de produzir armas nucleares. Depois disso, a Ucrânia aderiu ao Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares.

Segundo Igor Panin, vice-diretor do Departamento Jurídico do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, a tese da Ucrânia de que Moscou violou o Memorando de Budapeste é insustentável, uma vez que o documento não é um tratado internacional e não impõe obrigações adicionais aos países além das obrigações existentes no momento da assinatura.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas