Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Venezuela se despede dos aviões russos

O ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino López, escreveu sobre a despedida dos militares russos que voaram ao país bolivariano para realização de manobras conjuntas.


Sputnik

Vladimir Padrino López agradeceu à Rússia após as aeronaves russas deixarem a Venezuela rumo às bases permanentes.


O ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino López, com os pilotos do avião russo Tu-160
© REUTERS / Ministério da Defesa da Rússia

O envio de aviões militares russos à Venezuela atraiu muita atenção no mundo. O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, caracterizou a ação como um desperdício de recursos públicos, e o presidente colombiano, Ivan Duque, viu a medida como inamistosa.

O presidente venezuelano Nicolás Maduro, por sua vez, rebateu críticas e disse que aviões militares estrangeiros continuarão chegando à Venezuela nos próximos meses.

Já o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, mostrou-se esperançoso que a Força Aeroespacial da Rússia continue voando para a Venezuela, e que os navios da Marinha russa visitem os portos venezuelanos.

No dia 10 de dezembro, dois bombardeiros estratégicos russos Tu-160, um avião de transporte militar An-124 e uma aeronave Il-62 voaram da Rússia à Venezuela, percorrendo 10 mil quilômetros, para realização de manobras com o país bolivariano.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas