Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

'Agressão': Síria promete resistir aos planos da Turquia em seu território

A Síria vê o recente anúncio da Turquia de estabelecer uma zona de segurança em solo sírio como um possível plano para novas agressões contra a República Árabe e está determinado a se defender "por todos os meios disponíveis", disse uma fonte do Ministério de Relações Exteriores nesta terça-feira.


Sputnik

Durante o dia, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan anunciou que ele e seu colega norte-americano, Donald Trump, chegaram a um "entendimento de importância histórica" para estabelecer uma zona de segurança na Síria durante a conversa telefônica no dia anterior.


Soldado russo caminhando com a bandeira síria em fundo, Homs, Síria
Miliar russo na Síria © REUTERS / Omar Sanadiki

Ancara disse que as Unidades de Proteção ao Povo dominadas pelos curdos (YPG) não participariam da criação de uma zona de segurança no norte da Síria, acrescentando que seria a Turquia que controlaria a zona.

"A Síria enfatiza que a tentativa de minar sua integridade territorial será uma clara agressão e ocupação, assim como proteção e apoio ao terrorismo internacional e ímpeto por sua expansão em nome da Turquia, algo que a Síria vem lutando há oito anos", afirmo a fonte ministerial síria.

A mesma fonte enfatizou que Damasco estaria protegendo seu território de qualquer agressão, incluindo a "ocupação turca", por todos os meios disponíveis.

As declarações de Erdogan, segundo a fonte, provam que a Turquia "protege os terroristas nas conversações em Astana e fala apenas a linguagem da ocupação e da agressão".

No início de dezembro, o presidente turco anunciou que Ancara estava pronta para lançar uma operação militar contra as milícias curdas — que considera serem grupos terroristas — na margem oriental do Eufrates, bem como no Manbij da Síria, localizado perto da fronteira turca, se os Estados Unidos não facilitaram a retirada da milícia da região.

Erdogan disse mais tarde que a operação havia sido adiada após sua conversa telefônica em 14 de dezembro com Trump, que mais tarde anunciou planos de retirar as tropas norte-americanas da Síria.

Em 19 de dezembro, Trump disse que decidiu retirar os 2.000 soldados dos EUA estacionados na Síria desde que o grupo terrorista do Daesh foi derrotado. No domingo passado, ele confirmou que a "retirada muito atrasada da Síria" havia começado.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas