Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Capacetes brancos preparam novas provocações na Síria, diz enviado russo na ONU

Membros dos Capacetes Brancos estão preparando novas provocações com substâncias tóxicas na Síria, disse o vice-embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, nesta quarta-feira (24) na reunião do Conselho de Segurança da ONU.
Sputnik

Safronkov observou que os Capacetes Brancos acusariam o governo sírio pelo uso de tais substâncias.

Mais cedo nesta quarta-feira (24), o Major General Viktor Kupchishin, chefe do Centro Russo para a Reconciliação Síria, argumentou que funcionários da mídia estrangeira na província síria de Hama conduziram uma filmagem falsa da "morte" de uma família supostamente devido ao uso de armas químicas pelas tropas sírias.

Em diversas ocasiões, Moscou e Damasco apontaram que os Capacetes Brancos estavam produzindo provocações envolvendo o uso de armas químicas com o objetivo de culpar o governo da Síria e dar aos países ocidentais justificativas para a intervenção no país.
A estratégia de encenar ataques para usá-los como falsa bandeira tem sido usada repetida…

Análise: Colômbia pode enfrentar nova guerra caso se envolva na crise da Venezuela

A Colômbia pode enfrentar a ameaça de reinício da guerra civil em caso de ser envolvida na crise ao redor da Venezuela com participação dos EUA, declarou o editor-chefe da revista "América Latina" da Academia de Ciências da Rússia, Vladimir Travkin.


Sputnik

O assessor de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, foi visto na coletiva de imprensa na segunda-feira (28) com um caderno amarelo com as palavras "5.000 soldados para a Colômbia". O ministro das Relações Exteriores da Colômbia, Carlos Holmes Trujillo, disse posteriormente que Bogotá não sabe por que motivo John Bolton mencionou o país na anotação sobre o possível envio de 5.000 soldados para a Colômbia em meio à crise na vizinha Venezuela.


Soldados colombianos acampados perto do local do ataque das FARC contra tropas do exército, em Cauca (foto de arquivo)
Militares colombianos © REUTERS / Jaime Saldarriaga

Entretanto, o presidente norte-americano Donald Trump aludiu à possibilidade de invasão militar da Venezuela por parte dos EUA. Porém, a assessoria da imprensa do Ministério da Defesa da Colômbia comunicou que o país não planejava conceder bases militares aos EUA para uma potencial invasão.

"É muito duvidoso que a Colômbia envie algumas forças militares [à Venezuela]. Há pouco tempo que lá cessou a guerra civil que durou 50 anos. Se a Colômbia 'se envolver' no conflito militar no estrangeiro, na Venezuela vizinha, isso pode levar a consequências sérias dentro do país, já que permanecem muitas pessoas que combateram do lado da esquerda. Com certeza, eles saíram das florestas, mas não desapareceram, e nem todos eles estão contentes com o desenvolvimento dos acontecimentos na Colômbia", acrescentou Travkin.

Ele sublinhou que, em qualquer caso, a Venezuela está pronta para um cenário militar. O Exército venezuelano é forte e bem preparado, sendo composto principalmente por soldados oriundos do povo, 68% dos quais apoiam o presidente Nicolás Maduro, segundo o analista. "Se de repente acontecer uma invasão, tal custará grandes perdas ao invasor", acrescentou.

O analista afirmou que muita coisa irá depender do balanço de forças nos EUA, onde há "cabeças quentes" e onde os atritos entre o poder executivo e legislativo continuam.

Desde 21 de janeiro que na Venezuela ocorrem protestos contra o presidente em função Nicolás Maduro. No dia 23 de janeiro, o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, se declarou presidente interino do país durante o protesto antigovernamental nas ruas de Caracas.

Os EUA e uma série de outros países, inclusive o Brasil, reconheceram Guaidó como presidente da Venezuela. A Rússia, a China, Cuba, e o México, entre outros, apoiam a permanência de Maduro.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas