Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Área militar do governo brasileiro demonstra desconforto com suspensão de investigação do caso Queiroz

Integrantes da área militar do governo demostraram desconforto com o pedido de suspensão da investigação para apurar movimentações financeiras de Fabricio Queiroz consideradas "atípicas" pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).


Por Gerson Camarotti | G1

A avaliação de auxiliares do presidente Jair Bolsonaro é que essa decisão tomada pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), só faz prolongar o desgaste provocado pelo caso.

Resultado de imagem para Fux manda suspender investigação sobre ex-assessor de Flávio Bolsonaro
Flavio Bolsonaro (PSL-RJ) e Fabricio Queiroz | Reprodução

O ministro Luiz Fux atendeu pedido do deputado estadual e senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), de quem Queiroz foi assessor. O Coaf apontou movimentação de R$ 1,2 milhão em uma conta bancária de Queiroz durante um ano sem que houvesse esclarecimento.

Para esses auxiliares, foi uma surpresa a solicitação feita por Flávio Bolsonaro para suspender as investigações.

“Ainda não há uma explicação convincente. Enquanto isso não acontecer, o desgaste desse caso vai continuar. Já está demorando demais”, comentou ao blog um auxiliar próximo do presidente.

Em entrevista ao Jornal das Dez, da GloboNews, no dia 2 de janeiro, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, afirmou que Fabricio Queiroz precisa dar uma explicação "mais consistente" sobre as movimentações suspeitas na conta dele.

Já esta semana, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, disse ao Jornal das Dez que não comentaria o caso e que não se comportaria como um advogado de defesa, ao se referir à postura adotada por outros ministros da pasta em governos anteriores.

“Eu acho que o presidente apresentou as explicações no que se refere ao que foi identificado ali, especificamente relacionado ao eventual nome dele. E os fatos estão sendo investigados e apurados", disse Moro.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas