Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

Armas biológicas norte-coreanas representam maior ameaça que nucleares, diz mídia

De acordo com os especialistas, as armas biológicas da Coreia do Norte representam uma maior ameaça do que as nucleares, já que em caso de conflito Pyongyang usaria com maior probabilidade armas biológicas, escreveu o jornal The Daily Telegraph.


Sputnik

Segundo o jornal, os serviços de inteligência revelaram o aumento brusco de buscas na internet a partir de território norte-coreano sobre pesquisas avançadas de genes e bactérias. A mídia conclui que as armas biológicas da Coreia do Norte representam uma ameaça maior do que as nucleares.


Resultado de imagem para armas biológicas

O Instituto de Estudos Internacionais de Middlebury, EUA, examinou o assunto e revelou que Pyongyang está estudando os trabalhos de investigadores estrangeiros para desenvolver suas capacidades existentes em tecnologias biológicas e criar equipamentos para produzir armas biológicas, diz a edição citando os dados do The New York Times.

A Administração do presidente Donald Trump exerce uma grande pressão sobre a Coreia do Norte quanto à questão do armamento nuclear do país e do programa de mísseis balísticos intercontinentais. Porém, aparentemente Washington não pede esclarecimentos sobre a situação em torno das alegadas reservas de agentes bacteriológicos patogênicos. Essas armas são frequentemente apelidadas de "armamento nuclear para pobres", segundo a edição.

O funcionário do Pentágono, Andrew Weber, responsável pelos programas de defesa nuclear, química e biológica durante o mandato de Barack Obama, declarou que "a Coreia do Norte usaria com maior probabilidade armas biológicas do que nucleares".

Os analistas afirmam que a ameaça de um "contra-ataque bacteriológico devastador" visaria conter os inimigos da Coreia do Norte, apesar de os agentes biológicos poderem ser usados também na qualidade de arma ofensiva.

Um dos agentes potencialmente mais mortíferos seria, provavelmente, a varíola, capaz de matar um terço das pessoas contaminadas. Além disso, Pyongyang tem a possibilidade de produzir estirpes de carbúnculo, escreveu o jornal.

Segundo The Daily Telegraph, a Coreia do Norte não tem escondido seu programa de armas biológicas. Assim, ainda em 2015 a mídia estatal mostrou a visita do líder norte-coreano Kim Jong-un a uma fábrica que, de acordo com especialistas, podia ser adaptada para produzir armas biológicas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas