Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

China reage à operação da marinha dos EUA: 'temos mísseis'

O governo chinês vai implantar um sistema de mísseis balísticos DF-26, conhecidos como “assassinos de navios”, em pontos estratégicos do país próximos ao mar do sul da China e da região oriental da Ásia, área altamente disputada entre países do sudeste asiático. 


Vanessa Barbosa | Exame

A investida ocorre poucos dias depois de um navio de guerra dos EUA atravessar o Estreito de Taiwan e navegar perto das Ilhas Paracel, reivindicadas pela China, Vietnã e Taiwan.


China: mísseis balísticos DF-26 exibidos durante desfile militar em Pequim.
China: mísseis balísticos DF-26 exibidos durante desfile militar em Pequim © Andy Wong – Pool

O navio de guerra americano alegou que estava navegando sob as regras internacionais do direito do mar, um acordo que garante sua “livre passagem” na região.

Mas a China acusou os EUA de invadir suas águas territoriais. “A ação dos EUA violou as leis chinesas e as leis internacionais, infringiu a soberania da China, danificou a paz regional, a segurança e a ordem”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Lu Kang, na segunda-feira.

Os mísseis chineses são capazes de acertar alvos terrestres e marinhos a até 5.471 quilômetros, e suportam ogivas convencionais e nucleares.

Com isso, a China pretende alertar que o país tem mísseis e é capaz de proteger seu território, segundo artigo publicado pela CNN.

Como parte das medidas cautelares, a China também enviou aviões militares e navios de guerra para alertar o navio de guerra dos EUA e ordená-lo a se afastar das ilhas disputadas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas