Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Curdistão iraquiano tortura crianças para confessarem que eram do EI, diz ONG

A organização não governamental Human Rights Watch (HRW) denunciou nesta terça-feira que o governo da região autônoma do Curdistão iraquiano está "torturando" crianças para que confessem que fizeram parte do grupo jihadista Estado Islâmico (EI).


EFE

Cairo - HRW entrevistou 20 crianças, com idades entre 14 e 17 anos, acusadas ou condenadas por afiliação ao EI no reformatório de mulheres e crianças em Erbil, capital do Curdistão, em novembro de 2018, além de três crianças que tinham sido libertadas recentemente.


Resultado de imagem para Curdistão iraquiano
Peshmergas (militares curdos iraquianos) © REUTERS / Azad Lashkari

Das 23 crianças, 16 disseram que um ou mais oficiais dos Asayish (oficiais de segurança curdos) "os tinham torturado durante o interrogatório nas instalações" e batido "em todo o corpo com canos de plástico, cabos elétricos ou barras", e que inclusive "usaram descargas elétricas".

Além disso, a ONG indicou que a maioria das crianças disseram que "não tinham acesso a um advogado e que não tinham permissão para ler as confissões que os 'Asayish' escreveram e as obrigaram a assinar". Segundo HRW, "a maioria das crianças disseram que os seus interrogadores os disseram o que deveriam confessar".

"Primeiro, disseram que deveria afirmar que estava com o EI, então, aceitei", disse uma criança de 14 anos à HRW. "Depois, comentaram que tinha que dizer que trabalhei para o EI durante três meses. Eu disse que não fazia parte do EI, mas me falaram: 'Não, você tem que dizer".

Após "duas horas de interrogatório e tortura", aceitou, revelou organização humanitária, citando um dos depoimentos dos entrevistados.

"Quase dois anos depois que o governo regional do Curdistão prometeu investigar a tortura de crianças detidas, isso ainda ocorre com uma frequência alarmante", argumentou Jo Becker, diretora de defesa dos direitos das crianças para a HRW.

Em dezembro de 2017, a Human Rights Watch denunciou que as autoridades iraquianas estavam cometendo "abusos" de forma "desenfreada" contra os detidos suspeitos de pertencerem ao EI.

Comentários

Postagens mais visitadas