Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

Curdistão iraquiano tortura crianças para confessarem que eram do EI, diz ONG

A organização não governamental Human Rights Watch (HRW) denunciou nesta terça-feira que o governo da região autônoma do Curdistão iraquiano está "torturando" crianças para que confessem que fizeram parte do grupo jihadista Estado Islâmico (EI).


EFE

Cairo - HRW entrevistou 20 crianças, com idades entre 14 e 17 anos, acusadas ou condenadas por afiliação ao EI no reformatório de mulheres e crianças em Erbil, capital do Curdistão, em novembro de 2018, além de três crianças que tinham sido libertadas recentemente.


Resultado de imagem para Curdistão iraquiano
Peshmergas (militares curdos iraquianos) © REUTERS / Azad Lashkari

Das 23 crianças, 16 disseram que um ou mais oficiais dos Asayish (oficiais de segurança curdos) "os tinham torturado durante o interrogatório nas instalações" e batido "em todo o corpo com canos de plástico, cabos elétricos ou barras", e que inclusive "usaram descargas elétricas".

Além disso, a ONG indicou que a maioria das crianças disseram que "não tinham acesso a um advogado e que não tinham permissão para ler as confissões que os 'Asayish' escreveram e as obrigaram a assinar". Segundo HRW, "a maioria das crianças disseram que os seus interrogadores os disseram o que deveriam confessar".

"Primeiro, disseram que deveria afirmar que estava com o EI, então, aceitei", disse uma criança de 14 anos à HRW. "Depois, comentaram que tinha que dizer que trabalhei para o EI durante três meses. Eu disse que não fazia parte do EI, mas me falaram: 'Não, você tem que dizer".

Após "duas horas de interrogatório e tortura", aceitou, revelou organização humanitária, citando um dos depoimentos dos entrevistados.

"Quase dois anos depois que o governo regional do Curdistão prometeu investigar a tortura de crianças detidas, isso ainda ocorre com uma frequência alarmante", argumentou Jo Becker, diretora de defesa dos direitos das crianças para a HRW.

Em dezembro de 2017, a Human Rights Watch denunciou que as autoridades iraquianas estavam cometendo "abusos" de forma "desenfreada" contra os detidos suspeitos de pertencerem ao EI.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas