Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Do Alasca ao espaço: detalhes da nova Revisão da Defesa Antimísseis dos EUA

Presidente dos EUA, Donald Trump, revelou a nova estratégia de defesa antimísseis que visa destruir armas inimigas.


Sputnik

Uma das principais preocupações relatadas no relatório é a velocidade com a qual seus rivais, destacando a Coreia do Norte, Irã, Rússia e China, estão avançando em novas tecnologias, como mísseis supersônicos, que podem se deslocar a mais de 5.000 km/h e manobrar, sendo quase impossíveis de interceptar.


Resultado de imagem para missile defense review

"Nossa estratégia é baseada em um objetivo principal: detectar e destruir todos os tipos de ataque de mísseis contra qualquer alvo americano, antes ou depois do lançamento", declarou Donald Trump durante apresentação da Revisão da Defesa Antimísseis de 2019.

Segundo o relatório, os EUA "contam com uma dissuasão nuclear para prevenir um eventual ataque nuclear da China ou da Rússia, utilizando seus grandes e bem desenvolvidos sistemas de mísseis intercontinentais".

Trump apontou pelo menos seis prioridades da Revisão da Defesa Antimísseis, que é a primeira a ser feita pelos Estados Unidos desde 2010.

No documento, ele coloca a defesa dos americanos em primeiro lugar, investindo em novas tecnologias, com o objetivo de estar preparado para todos os tipos de ataque de mísseis, reconhecendo que o espaço passou a ser o "novo domínio de campo de batalha, removendo obstáculos para os projetos dos EUA, além de exigir ‘partilha de encargos' de seus aliados".

A nova revisão ainda determina o desenvolvimento de 20 novos interceptadores terrestres no Fort Greely, no Alasca, assim como novos radares e sensores capazes de detectarem imediatamente qualquer míssil inimigo lançado contra os EUA.

"Nós devemos prosseguir a pesquisa de tecnologia avançada para garantir que os EUA estejam sempre à frente daqueles que nos atingiriam", ressaltou Trump.

Com relação ao espaço, Trump indica que fará grandes investimentos em sistemas de defesa espaciais, ressaltando que isso será uma grande parte de sua defesa.

Além disso, o Pentágono também espera desenvolver uma tecnologia de laser altamente escalável, eficiente e compacta.

Atualmente, o F-35 é a maior esperança dos americanos, isso devido à capacidade de rastrear e de destruir mísseis de cruzeiro dos inimigos, além de poder ser equipado no futuro com um novo ou modificado interceptor capaz de atingir mísseis balísticos antes da fase de impulsão.

Contudo, o documento destaca que a Coreia do Norte é "uma ameaça extraordinária, e os Estados Unidos devem permanecer atentos".

A revisão de 2010, elaborada pela administração de Barack Obama, focou na cooperação com a Rússia no campo de defesa antimíssil, priorizando o desenvolvimento de defesas antimísseis não estratégicas, além de uma maior flexibilidade e velocidade no desenvolvimento da defesa antimíssil.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas