Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Donald Trump promete desenvolver arsenal de mísseis dos EUA 'contra ameaças' externas

Presidente dos EUA anunciou que vai incrementar arsenal militar e sistemas antimísseis. Segundo ele, os adversários estão 'desenvolvendo rapidamente' o poderio balístico.


Por G1

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu investir em um sistema de defesa espacial contra o que chamou de "ameaça de adversários externos". Em pronunciamento no Pentágono, em Washington, nesta quinta-feira (17), o republicano afirmou que o escudo vai "detectar e destruir" mísseis disparados contra o território norte-americano.

Donald Trump anuncia promessas para sistema de mísseis dos EUA — Foto: Kevin Lamarque/Reuters
Donald Trump anuncia promessas para sistema de mísseis dos EUA — Foto: Kevin Lamarque/Reuters

"Nós vamos reconhecer que o espaço é um novo campo de batalha com a Força Espacial guiando o caminho", afirmou Trump.

O sistema lembra a Iniciativa de Defesa Estratégica desenvolvido pelo ex-presidente Ronald Reagan nos anos 1980 – uma das referências de Trump. Esse escudo planejado durante a Guerra Fria ganhou o apelido de "Guerra nas Estrelas".

Meses atrás, Trump anunciou a criação de uma força militar exclusiva para o espaço, que funcionaria paralelamente ao Exército, à Marinha e à Força Aérea. Parte da equipe de Defesa do governo, porém, é contra.

Seis medidas para a defesa

O incremento na defesa espacial está entre as seis medidas anunciadas por Trump no discurso desta quinta-feira. São elas:

  1. Priorizar a defesa de todo o território norte-americano "acima de tudo"
  2. Investir em novas tecnologias, não só nas já existentes;
  3. Proteger a população dos EUA contra "ataques de mísseis";
  4. Reconhecer que o espaço é um campo de batalha;
  5. Remover obstáculos burocráticos para a aquisição das novas tecnologias;
  6. Equilibrar a repartição de encargos militares com aliados.

Ameaças externas

A justificativa de Trump para o investimento nos sistemas de mísseis e de baterias antiaéreas – não só na Força Espacial – está na "ampliação da capacidade dos arsenais" dos países inimigos dos Estados Unidos.

"Eles [adversários] progrediram mais do que nós nos últimos anos", disse Trump.

O norte-americano citou o Irã, país inimigo dos Estados Unidos desde o fim da década de 1970. Segundo ele, o poderio militar norte-americano deve voltar a se reerguer em um ritmo mais veloz do que o de adversários. "Não devemos apenas acompanhar o ritmo dos outros países, mas ultrapassá-los", disse o presidente.

"Nós somos bons jogadores, mas podemos ser bem piores do que qualquer um se precisarmos. Quanto mais forte [o arsenal militar], menos precisaremos dele", afirmou Trump.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas