Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Equador se posiciona contra qualquer tipo de intervenção militar na Venezuela

O Equador se posicionou contra qualquer opção que envolva uma intervenção militar na Venezuela e considera que, caso isso aconteça, haveria um impacto negativo e não contribuiria para uma solução da crise, disse nesta quinta-feira o chanceler equatoriano, José Valencia.


EFE

Davos (Suíça) - "Devemos dar aos venezuelanos a opção de decidirem, de serem atores do seu futuro através de caminhos democráticos", declarou Valencia ao discursar em uma sessão do Fórum Econômico Mundial dedicada a analisar a situação na Venezuela.


EFE/ Miguel Gutiérrez
EFE/ Miguel Gutiérrez

Além disso, o chanceler avaliou que para que a situação avance pelo caminho adequado é indispensável estabelecer canais de diálogo "entre todos os atores" destes eventos, incluindo os militares e o setor político que apoia o presidente Nicolás Maduro.

O chefe da diplomacia equatoriana considerou que neste processo também será essencial "identificar um grupo de países que possa facilitar esse diálogo", como foi feito no passado com o Grupo de Contadora na América Central.

"Não será fácil, mas é preciso tentar", comentou.

Na mesma sessão, o ex-ministro de Comércio da Venezuela e atualmente acadêmico nos Estados Unidos, Moisés Naim, considerou que as próximas horas são cruciais diante do ultimato que Maduro fez aos diplomatas americanos para que saiam do país.

Washington respondeu afirmando que manterá sua equipe diplomática na Venezuela.

Naim disse que dentro do complexo diplomático dos EUA em Caracas há um contingente de militares e se perguntou - de maneira hipotética - o que aconteceria se as Forças Armadas da Venezuela decidirem atacar o recinto.

O presidente do Equador, Lenín Moreno, já reconheceu ontem o líder da Assembleia Nacional da Venezuela (Parlamento), Juan Guaidó, como presidente interino do país e lhe transmitiu o seu desejo de que convoque eleições o mais rápido possível.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas