Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Equipe da OPAQ investiga suposto ataque químico em Alepo, na Síria

Uma equipe da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) está na Síria com o objetivo de compilar informação e investigar o possível uso desse tipo de armamento no último dia 24 de novembro na cidade de Alepo, informou o organismo nesta terça-feira em comunicado.


EFE

Haia - Os investigadores viajaram para a Síria no início deste mês, o que não foi anunciado previamente por motivos de segurança, e também não se sabe se já se encontram em Alepo ou em outro lugar do país à espera de ter acesso ao local onde aconteceu o ataque denunciado.


Resultado de imagem para opaq siria
OPAQ na Síria | Reprodução

Em sua nota, a OPAQ explica que em 24 de novembro recebeu informação sobre o possível uso de armas químicas em Alepo, no noroeste da Síria, e assegura que vigiou "a situação desde então".

No início de dezembro, a organização enviou à Síria uma equipe "avançada" de investigadores para compilar informação em colaboração com as autoridades sírias, ao quais se seguiram na semana passada vários especialistas da Missão de Investigação (FFM, na sigla em inglês) para "estabelecer mais fatos a respeito da acusação", ressaltou a OPAQ.

Os membros da FFM, segundo acrescentou o organismo, estão "colhendo e analisando informação de maneira independente" e estão tomando as medidas necessárias para "garantir a proteção e a segurança dos especialistas da OPAQ e do pessoal envolvido" nesta missão.

A FFM foi criada em 2014, após as repetidas denúncias de ataques contra civis com armas químicas na Síria, e desde então investiga os possíveis usos de substâncias tóxicas, como o cloro, em bombardeios contra a população durante o conflito armado que acontece no país desde 2011.

Comentários

Postagens mais visitadas