Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Escândalo abafado vem a tona: militares dos EUA desonraram bandeira da Lituânia

Militares dos EUA, deslocados nos Estados bálticos, cometeram um ato de vandalismo em Kaunas, segundo revelou a imprensa local após meses de silêncio.


Sputnik

De acordo com Baltnews, os militares dos EUA retiraram a bandeira da Lituânia de um escritório do promotor em Kaunas, a segunda maior cidade da Lituânia. A Polícia recebeu uma denúncia sobre o ato de vandalismo de uma testemunha. Ele afirmou que os militares não apenas removeram a bandeira nacional, mas também a rasgaram.


Exercício militar do exército da Lituânia
© AP Photo / Mindaugas Kulbis

O incidente ocorreu em abril de 2018, mas foi relatado apenas recentemente.

Na ocasião, os policiais locais discutiram o incidente com representantes da Defesa da Lituânia e o comando do Exército dos Estados Unidos. Após as conversações, decidiu-se abafar o episódio escandaloso.

O Exército dos EUA atua nos países bálticos há muitos anos. Especialistas notaram que os países desta região, depois do Japão, são onde os americanos se comportam de uma forma "que não seria permitida em casa".

Ao mesmo tempo, as autoridades dos países bálticos, sem considerar a opinião da população, continuam a convidar soldados da OTAN para o seu território em face de uma suposta "agressão russa".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas