Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

De classe média e com alto nível de educação: o perfil dos terroristas do Sri Lanka

Polícia cingalesa identifica oito dos nove terroristas suicidas que cometeram os atentados de domingo
Macarena Vidal Liy | El País
Alto nível de educação, família de classe média ou média alta, com recursos econômicos próprios. Esse é o perfil dos nove terroristas suicidas que, segundo a polícia do Sri Lanka, lançaram os atentados de domingo em três hotéis de luxo e três igrejas, deixando pelo menos 359 mortos e mais de 500 feridos.

Pouco a pouco vão sendo conhecidos mais detalhe sobre como ocorreu o ataque terrorista mais sangrento da história do Sudeste Asiático. Para a polícia, já está comprovado o envolvimento de nove terroristas suicidas, entre eles uma mulher. As autoridades divulgaram os vídeos das câmeras de circuito fechado na paróquia de São Sebastião, em Negombo, nos arredores de Colombo, nos quais se vê o homem apontado como culpado pela explosão que matou, nessa igreja, pelo menos 110 pessoas. O vídeo mostra um jovem magro, de barba, carregando uma mochila grande e aparentem…

Estudo do Corpo de Fuzileiros Navais do Brasil recomenda aquisição de até 30 MBTs

Estudos realizados no âmbito do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) indicam que a força de carros de combate da corporação, atualmente concentrada em seu Batalhão de Blindados, tem capacidade de absorver entre 20 e 30 MBTs (Main Battle Tanks).


Por Roberto Lopes | Forças Terrestres

A informação foi obtida pelo ForTe junto a fontes que trabalham no programa de reaparelhamento da Marinha do Brasil.


M1A1 Abrams dos Fuzileiros Navais dos EUA

A divulgação da notícia de que o governo dos Estados Unidos ofereceu às Forças Armadas brasileiras carros de combate M1A1 Abrams, dotados de canhão de 120 mm, só fez aumentar a expectativa sobre um possível upgrade no poder de choque dos Fuzileiros.

De acordo com um oficial lotado no Ministério da Defesa, em Brasília, o valor unitário de cada M1A1 estocado nos lotes de material excedente dos EUA poderá variar, de acordo com o nível de modernização a que será submetido, entre 1,3 e 1,8 milhão de dólares.

A questão é saber se o Comandante da MB e o Almirantado aprovarão esse gasto (na hipótese mais ambiciosa, de 54 milhões de dólares), sabendo que a frota atual de tanques leves do CFN – 17 exemplares do carro austríaco SK105A2S Kuerassier, de 17,5 toneladas e canhão de 105 mm – necessita, ela própria, de revitalização, especialmente no grupo propulsor.

O possível advento dos Abrams no CFN forçaria, também, uma provável reestruturação da força de tanques do CFN, hoje organizada na Companhia de Carros de Combate (CiaCC) do Batalhão de Blindados. A CiaCC possui um Kuerassier para o Comandante e quatro pelotões a quatro carros cada um (o 1º pelotão com os carros de 2 a 5, o 2º Pelotão com os carros de 6 a 9, o 3º Pelotão com os carros de 10 a 13, e o 4º pelotão com os carros de 14 a 17), além de uma viatura de resgate.

Crítica 


Em outubro do ano passado, o major de Cavalaria Daniel Longhi Canéppele, instrutor de tiro da VBCCC Leopard 1 A5 BR – e ex-oficial de operações do 1º Regimento de Carros de Combate da 6ª Brigada de Infantaria Blindada, no Rio Grande do Sul – produziu um artigo intitulado “Considerações sobre a eventual compra de carros de combate em substituição ao Leopard 1 A5 BR”.

No texto, o oficial afirma:

“No tocante ao M1A1 ou M1A2 Abrams, acredita-se que algumas peculiaridades desse CC contraindicam sua adoção pela realidade brasileira.

O primeiro motivo seria o fato da alta dependência gerada em relação à indústria bélica estadunidense. O segundo motivo é que, além dos EUA, somente a Austrália e países do Oriente Médio adotam esta plataforma, são eles: Arábia Saudita, Egito, Kwait e Iraque. O terceiro motivo é a tecnologia do conjunto de força, uma turbina multi-combustível Honeywell AGT-1500C que, além de ser mais complexa que um motor a diesel, gera muito mais calor, tornando quase impossível a presença de fuzileiros ao seu redor, o que afetaria drasticamente a doutrina brasileira de emprego de Forças-Tarefas blindadas”.

Há que se levar em consideração, entretanto, que essa é a visão de um oficial do Exército, não de um tanquista dos Fuzileiros Navais – que lida com cenários (ou ambientes) operacionais diversos daqueles vivenciados pelo Exército.

Em relação ao M1 original eles representavam uma clara evolução, consagrada no canhão de alma lisa M256, de 120 mm (desenvolvido pela Rheinmetall AG da Alemanha para o MBT Leopard 2), no visualizador térmico independente para o comandante da viatura, no equipamento de navegação por satélite, na blindagem aprimorada e num sistema de proteção tipo CBRN defense (Chemical, biological, radiological and nuclear defense).

A arma principal do M1A1 mostrou eficiência para alcançar alvos situados a mais de 2.500 metros de distância.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas