Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

EUA dizem 'levar a sério' a promoção da paz no Afeganistão e retirada de tropas

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, declarou neste domingo (27) que o país está disposto a promover a paz no Afeganistão e retirar suas tropas do país.


Sputnik

"Os EUA levam a sério a busca da paz, impedindo que o Afeganistão continue a ser um espaço para o terrorismo internacional e levando suas forças para casa. Trabalhando com o governo afegão e todas as partes interessadas, os EUA buscam fortalecer a soberania afegã, a independência e prosperidade", publiou Pompeono Twitter.


Soldados norte-americanos no Afeganistão (foto de arquivo)
 Militares norte-americanos no Afeganistão © AFP 2018 / Johannes EISELE

Atualmente, há cerca de 14 mil soldados dos EUA, além de cerca de 16 mil militares da OTAN e dos países parceiros implantados no Afeganistão. As forças estão envolvidas em uma missão de treinamento e apoio para as forças armadas afegãs.

O Afeganistão sofre há muito tempo com uma instável situação política, social e de segurança por conta da atividade de vários grupos terroristas e radicais, incluindo o Daesh (proibido na Rússia e em uma série de países.

As Forças Nacionais de Defesa e Segurança do Afeganistão, apoiadas por uma coalizão liderada pelos EUA, estão conduzindo operações conjuntas de ataque para combater o terrorismo em todo o país.

Comentários

Postagens mais visitadas