Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

EUA se recusam a reconhecer rompimento de laços diplomáticos com Venezuela

Os Estados Unidos não acreditam que o presidente Nicolás Maduro tenha a autoridade legal para romper os laços diplomáticos da Venezuela com Washington, disse o secretário de Estado, Mike Pompeo, em um comunicado à imprensa.


Sputnik

Mais cedo, Maduro disse que a Venezuela rompeu relações diplomáticas com os Estados Unidos e ordenou a expulsão de seus diplomatas depois que o governo Trump reconheceu o líder da oposição, Juan Guaidó, como presidente interino da Venezuela.


Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo (imagem de arquivo)
Mike Pompeo © flickr.com/ Gage Skidmore

"Os Estados Unidos não reconhecem o regime de Maduro como o governo da Venezuela. Portanto, os Estados Unidos não consideram que o ex-presidente Nicolás Maduro tenha a autoridade legal para romper relações diplomáticas com os Estados Unidos ou declarar nossos diplomatas persona non grata", escreve Pompeo na nota.

Pompeo também pediu que os militares venezuelanos protejam os cidadãos norte-americanos e disse que os Estados Unidos tomarão as medidas apropriadas para responsabilizar quem põe em perigo a segurança de americanos expatriados.

A situação na Venezuela piorou consideravelmente após a posse de Nicolás Maduro, reconduzido ao poder no último dia 10 de janeiro. Países membros do Grupo de Lima — entre eles o Brasil — decidiram não reconhecer o novo mandato. Posteriormente, Brasil, Paraguai, Canadá e Estados Unidos decidiram reconhecer o presidente da Assembleia Nacional destituída, Juan Guaidó como o presidente interino do país.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas