Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Gorbachov chama EUA para retomar diálogo com a Rússia sobre armas nucleares

O último presidente da União Soviética, Mikhail Gorbachov, pediu que os Estados Unidos retomem um "diálogo sério" com a Rússia sobre o problema das armas nucleares e alertou contra as "perigosas tendências destrutivas" na política mundial, em artigo publicado nesta quarta-feira no jornal "Vedomosti".
EFE

Moscou - Após constatar uma ruptura da comunicação entre Moscou e Washington, o ex-líder soviético se dirigiu em particular aos congressistas americanos para pedir que deixem de lado suas diferenças partidárias para facilitar um "diálogo sério" entre ambos os países.


"Estou convencido de que a Rússia está preparada (para o diálogo)", ressaltou Gorbachov, que manifestou preocupação com a suspensão, primeiro pelos EUA e depois pela Rússia, do Tratado de Eliminação dos Mísseis de Médio e Curto Alcance (INF), que ele assinou em 1987 com o então presidente americano, Ronald Reagan.

Gorbachov apontou que por trás da decisão de Washington de deix…

EUA se recusam a reconhecer rompimento de laços diplomáticos com Venezuela

Os Estados Unidos não acreditam que o presidente Nicolás Maduro tenha a autoridade legal para romper os laços diplomáticos da Venezuela com Washington, disse o secretário de Estado, Mike Pompeo, em um comunicado à imprensa.


Sputnik

Mais cedo, Maduro disse que a Venezuela rompeu relações diplomáticas com os Estados Unidos e ordenou a expulsão de seus diplomatas depois que o governo Trump reconheceu o líder da oposição, Juan Guaidó, como presidente interino da Venezuela.


Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo (imagem de arquivo)
Mike Pompeo © flickr.com/ Gage Skidmore

"Os Estados Unidos não reconhecem o regime de Maduro como o governo da Venezuela. Portanto, os Estados Unidos não consideram que o ex-presidente Nicolás Maduro tenha a autoridade legal para romper relações diplomáticas com os Estados Unidos ou declarar nossos diplomatas persona non grata", escreve Pompeo na nota.

Pompeo também pediu que os militares venezuelanos protejam os cidadãos norte-americanos e disse que os Estados Unidos tomarão as medidas apropriadas para responsabilizar quem põe em perigo a segurança de americanos expatriados.

A situação na Venezuela piorou consideravelmente após a posse de Nicolás Maduro, reconduzido ao poder no último dia 10 de janeiro. Países membros do Grupo de Lima — entre eles o Brasil — decidiram não reconhecer o novo mandato. Posteriormente, Brasil, Paraguai, Canadá e Estados Unidos decidiram reconhecer o presidente da Assembleia Nacional destituída, Juan Guaidó como o presidente interino do país.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas