Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Ex-ministro israelense se declara culpado de espionagem para Irã

Na quarta-feira (9), o Ministério da Justiça de Israel informou que o ex-ministro da Energia de Israel, Gonen Segev, admitiu ter espionado para o Irã, segundo a Reuters.


Sputnik

A defesa e a acusação chegaram a acordo de que Segev seja condenado a 11 anos de prisão por "espionagem grave" e por "transferência de informações para o inimigo". O tribunal ainda não aprovou formalmente a sentença de prisão negociada com o ex-ministro.


Gonen Segev, ex-ministro da Energia de Israel, 5 de julho de 2018
Gonen Segev © REUTERS / Ronen Zvulun

O serviço de segurança interna Shin Bet de Israel comunicou, na época, que o médico e ex-ministro da Energia (1995-96) Gonen Segev havia sido recrutado pela inteligência iraniana quando morava na Nigéria e "servia como agente".

Após a investigação, descobriu-se que o ex-ministro contatou as autoridades na embaixada iraniana na Nigéria em 2012 e visitou o Irã duas vezes para se reunir com pessoas que administravam sua relação com o país persa, sabendo que eles eram agentes da inteligência iraniana, alegou o serviço secreto.

Segundo o comunicado, Segev havia recebido um sistema de comunicações criptografadas de agentes iranianos e forneceu ao Irã "informações relacionadas ao setor energético, locais de segurança em Israel e responsáveis por instituições políticas e de segurança".

Em 2004, o médico, que teve sua licença cancelada em Israel, foi preso por tentar contrabandear pílulas de "ecstasy" para Israel e deixou o país em 2007, após sua libertação da prisão.

De acordo com as autoridades israelenses, o ex-ministro foi preso em maio de 2018 durante uma visita à Guiné Equatorial e extraditado para Israel.

Jerusalém trava há muito tempo uma guerra contra Teerã, que apoia guerrilheiros islâmicos na Faixa de Gaza e no Líbano, enquanto o Irã acusa Israel de ser o responsável por atos de sabotagem e assassinatos de cientistas envolvidos em seu programa nuclear.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas