Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Exército do Reino Unido lança campanha em que convoca jovens chamando-os de 'viciados em selfie' e 'zumbis de celular' (VIDEO)

Militares afirmam que campanha para tem visão além dos estereótipos e reconhece a 'necessidade de um maior senso de propósito' da atual geração de jovens.


Por G1

O Exército britânico lançou uma campanha em que convoca “flocos de neve, viciados em selfie, palhaços da turma, zumbis de celular”, entre outros estereótipos da chamada geração Z, pessoas entre 16 e 25 anos de idade, para se alistar. O termo "floco de neve" é usado de forma irônica para descrever os jovens dessa geração, caracterizando-os como excessivamente sensíveis e que pensam que o mundo gira em torno deles.


Reprodução

A campanha de recrutamento tem cartazes e anúncios de TV, e foi intitulada “Seu Exército Precisa de Você”. Como reporta o jornal "The Guardian", ela sugere que o que é visto como uma fraqueza ou uma falha de caráter pelo resto da sociedade pode ser visto como uma força no serviço militar.

A campanha afirma que o Exército poderia usar a “compaixão” dos “flocos de neve”, a “autoconfiança” da geração do milênio, a “confiança” dos fazedores de selfie e o “foco” dos “zumbis de celular”.

O Exército afirma que desenhou a campanha para mostrar que tem uma visão além dos estereótipos e "vê as pessoas de forma diferente", além de reconhecer a "necessidade de um maior senso de propósito" da atual geração de jovens.

Os anúncios de TV baseiam-se na ideia de que jovens ambiciosos podem se sentir desvalorizados e querem um emprego com um propósito maior. Os candidatos a recrutas nos anúncios são mostrados primeiro em casa ou no trabalho, inseridos em seus estereótipos, então a cena muda repentinamente e os mostra em funções militares, desde soldados ajudando em missões humanitárias em aldeias devastadas pela guerra, até fornecendo apoio em um esforço de alívio de furacões.

O secretário de Defesa, Gavin Williamson, descreveu a campanha como "um poderoso apelo à ação que agrada a quem procura fazer a diferença como parte de uma equipe inovadora e inclusiva".

“Isso mostra que o tempo gasto no Exército dá às pessoas habilidades para a vida e oferece companheirismo, aventura e oportunidades como nenhum outro trabalho faz. Agora todos os empregos no exército estão abertos a homens e mulheres. O melhor ficou ainda melhor."



Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas