Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Exército sírio libertará 'cada centímetro da Síria' mesmo se EUA não saírem, diz fonte

As forças sírias e curdas aumentaram seus esforços para chegar a um acordo político duradouro depois da decisão do presidente Donald Trump de retirar as tropas norte-americanas da Síria.


Sputnik

As forças do governo libertarão a totalidade da Síria, mesmo que Trump renuncie à sua retirada anunciada, disse uma fonte do Ministério de Relações Exteriores da Síria ao correspondente da Sputnik Internacional, Suliman Mulhem, na sexta-feira (11).


Exército sírio se instalando na área de Manbij
Exército sírio se instala em Manbij © Sputnik / Muhammad Maaruf

Falando sob condição de anonimato, a fonte insistiu que o presidente Bashar Assad não tem intenção de permitir que o território sírio permaneça fora do controle do governo a longo prazo, acrescentando que o Exército sírio e seus aliados estão "prontos para recuperar" cada centímetro do país devastado pela guerra.

"As tropas norte-americanas não são bem-vindas aqui, e embora a presença delas possa complicar a situação para nós, estamos prontos a recuperar vigorosamente cada centímetro da Síria, mesmo que Trump mantenha soldados dos EUA em nosso solo. Não há outra opção, segundo a nossa perspectiva", afirmou a fonte.

Representantes do governo sírio têm estado envolvidos em conversações com líderes curdos durante a guerra e a retirada de Washington pode encorajar os curdos a finalmente concordarem em firmar um acordo com Damasco, já que as Forças Democráticas da Síria (SDF, na sigla em inglês) seriam vulneráveis a um ataque turco no norte da Síria depois da retirada dos EUA.

No entanto, com muitos militantes se opondo à decisão de Trump, o presidente dos EUA poderia recuar em sua promessa de acabar com a presença militar norte-americana na Síria, como fez abruptamente no ano passado.

A despeito disso, Damasco e os curdos estão aparentemente se aproximando de um acordo, inclusive com tropas do Exército sírio chegando em Manbij – cidade que Ancara ameaçou abertamente como alvo a menos que as forças curdas retrocedessem – apenas dias depois que Trump prometeu retirar o contingente militar dos EUA para fora da Síria.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas