Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Exército sírio libertará 'cada centímetro da Síria' mesmo se EUA não saírem, diz fonte

As forças sírias e curdas aumentaram seus esforços para chegar a um acordo político duradouro depois da decisão do presidente Donald Trump de retirar as tropas norte-americanas da Síria.


Sputnik

As forças do governo libertarão a totalidade da Síria, mesmo que Trump renuncie à sua retirada anunciada, disse uma fonte do Ministério de Relações Exteriores da Síria ao correspondente da Sputnik Internacional, Suliman Mulhem, na sexta-feira (11).


Exército sírio se instalando na área de Manbij
Exército sírio se instala em Manbij © Sputnik / Muhammad Maaruf

Falando sob condição de anonimato, a fonte insistiu que o presidente Bashar Assad não tem intenção de permitir que o território sírio permaneça fora do controle do governo a longo prazo, acrescentando que o Exército sírio e seus aliados estão "prontos para recuperar" cada centímetro do país devastado pela guerra.

"As tropas norte-americanas não são bem-vindas aqui, e embora a presença delas possa complicar a situação para nós, estamos prontos a recuperar vigorosamente cada centímetro da Síria, mesmo que Trump mantenha soldados dos EUA em nosso solo. Não há outra opção, segundo a nossa perspectiva", afirmou a fonte.

Representantes do governo sírio têm estado envolvidos em conversações com líderes curdos durante a guerra e a retirada de Washington pode encorajar os curdos a finalmente concordarem em firmar um acordo com Damasco, já que as Forças Democráticas da Síria (SDF, na sigla em inglês) seriam vulneráveis a um ataque turco no norte da Síria depois da retirada dos EUA.

No entanto, com muitos militantes se opondo à decisão de Trump, o presidente dos EUA poderia recuar em sua promessa de acabar com a presença militar norte-americana na Síria, como fez abruptamente no ano passado.

A despeito disso, Damasco e os curdos estão aparentemente se aproximando de um acordo, inclusive com tropas do Exército sírio chegando em Manbij – cidade que Ancara ameaçou abertamente como alvo a menos que as forças curdas retrocedessem – apenas dias depois que Trump prometeu retirar o contingente militar dos EUA para fora da Síria.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas